em

Rescaldo: Um pontinho que sabe a pouco

Mais uma vez o rescaldo é retirado do MaisFutebol, em virtude da ComunidadeAzul não ter podido comparecer ao jogo. Regressamos frente ao Estoril!

Se os treinadores entrassem em campo, o resultado seria o mesmo provavelmente. Belenenses e Nacional empataram a duas bolas no Restelo, em jogo relativo à 16ª jornada do campeonato.

Na antevisão do encontro, Julio Velázquez tinha alertado para os perigos do Nacional nas transições, destacando a velocidade que os alas dos alvinegros imprimem nas linhas. Pois o técnico espanhol não se enganou nas previsões. Depois de várias jogadas iniciadas nos flancos, os insulares conseguiram mesmo adiantar-se no marcador. Curiosamente num erro defensivo, cujo protagonista principal foi o guarda-redes Ventura.

O minuto 13 foi de azar para o Belenenses. Depois de Witi já ter levado a bola a passar perto da baliza azul, Luís Aurélio colocou mesmo a bola dentro da baliza, perante a apatia da defesa dos azuis. Salvador Agra apareceu na esquerda e conseguiu impedir que a bola saísse das quatro linhas. O avançado levantou a cabeça, viu a entrada de Luís Aurélio na grande área, e colocou-lhe a bola mesmo a jeito do cabeceamento. Ventura calculou mal a distância da bola e deixou-se antecipar pelo médio alvinegro, permitindo que este cabeceasse sem dificuldades para o fundo das redes.

Foi mais preciso o treinador do Nacional, Manuel Machado, que augurou um jogo de equilíbrios e onde os detalhes seriam decisivos para obter uma pontinha de felicidade. A felicidade dos alvinegros foi procurada e o Belenenses ainda recolheu parte dela, porque o Nacional ainda criou mais duas boas ocasiões para dilatar a vantagem antes do intervalo.

O golo desbloqueou a partida, sem sombra de dúvidas, mas a equipa da casa só conseguiu criar verdadeiro perigo por uma vez, aos 31 minutos, com uma bola de André Sousa a não encontrar quem a desviasse junto à baliza.

Ao intervalo ouviram-se alguns assobios da parte dos adeptos do Belenenses, o que se justificou face às poucas oportunidades criadas pela equipa da casa.

No segundo tempo, o Belenenses entrou apostado em virar o resultado e até começou bem, com André Sousa
a levar a bola a embater no poste, aos 50 minutos, na sequência de um livre em zona frontal. Gottardi ainda pareceu desviar para o ferro.

Foi um presságio para aquilo que haveria de acontecer dois minutos depois. Na sequência de um canto e de uma bola afastada pela defesa do Nacional, Sturgeon recolheu a bola na direita e cruzou para a zona do segundo poste, onde apareceu Kuca. Livre de marcação, o avançado cabo-verdiano limitou-se a encostar de cabeça para o fundo da baliza de Gottardi.

O golo animou as hostes azuis mas foi sol de pouca dura. Após algumas tentativas goradas pela defensiva nacionalista, o Belenenses continuava à procura da cambalhota no marcador, expondo-se mais na defesa.

O Nacional aproveitou a rapidez nas alas para levar perigo de novo à baliza de Ventura. Aos 62 minutos, após uma jogada de insistência no ataque, os alvinegros chegaram ao segundo golo. O passe atrasado do recém-entrado Willyan ainda tocou na perna de um defesa do Belenenses, mas acabou em Tiquinho Soares. Perante a oposição do defensor, o avançado olhou para trás, em busca de soluções, e viu a chegada de Boubacar Fofana. Embalado, o médio só teve de escolher o melhor lado e rematou sem hipóteses de defesa para Ventura.

Dez minutos depois o Nacional marcou, e dez minutos depois o Belenenses respondeu. Aos 72 minutos Tiago Silva cruzou para o segundo poste e Tiago Caeiro, mesmo pressionado por um central do Nacional, encostou de cabeça para o fundo das redes de Gottardi, restabelecendo novamente a igualdade no marcador.

O tento de Caeiro motivou os restantes colegas e o Belenenses terminou o encontro por cima do Nacional, sem, contudo, conseguir criar ameaças de verdadeiro perigo.

O apito final soou debaixo de chuva que, apesar de ter sido uma ameaça constante, acabou por não condicionar a qualidade da partida.

Empate que se aceita no Restelo, face às oportunidades criadas por uma e outra equipa durante o jogo. O Nacional foi melhor na primeira parte mas o Belenenses deu sempre boa resposta e acabou por controlar o segundo tempo.

Ainda não foi desta que Belenenses e Nacional regressaram às vitórias e, curiosamente, repetiram o resultado obtido por ambas na última jornada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Râguebi: Belenenses é a surpresa das meias-finais

VELÁZQUEZ: “PODÍAMOS TER GANHO DE FORMA DILATADA”

futebol-cfb-belenenses-estrela-2

Resumo: Belenenses 2-2 Nacional