em

Rescaldo: 2ª parte de categoria dá ponto merecido

O Belenenses continua sem perder desde a 1ª jornada do campeonato. 4 jogos nos quais ganhou dois e empatou outros dois. Hoje foi a vez de ir a Guimarães empatar com o Vitória Sport Clube por 1-1. Um jogo com duas partes distintas que acabaram por desaguar num empate justo e que se aceita.

Com algumas novidades no “onze”, fruto da “lesão de Rosa uma delas e a outra visto ter querido mudar o sistema táctico, o Belenenses apresentava-se mais ofensivo. Um claro sinal de que não queria apenas “o pontinho”. Sem o duplo-pivot (algo que já se viu mais do que uma vez que não resulta), a equipa estava escalada num 4-3-3 clássico, com Vítor Gomes como o homem mais adiantado do meio-campo. Alguma descoordenação inicial e a consequente dificuldade em parar os extremos vitorianos. O golo viria a surgir num lance em que dois jogadores do Vitória estão em claro fora de jogo. Um erro grosseiro da equipa de arbitragem que viria a prejudicar a equipa. O resto da 1ª parte foi marcada por um ascendente da equipa caseira, que dispôs de algumas situações de perigo e mais controlo do jogo. O Belenenses tinha dificuldade em sair a jogar, os passes saíam transviados e a bola não chegava em condições nem a Gerso, nem a Camará, que fizeram um bom jogo.

O início do segundo tempo fazia antever algo completamente diferente. A troca de André Sousa por Tiago Caeiro fez notar que a equipa do Belenenses vinha para virar o jogo, tal como havia feito frente ao Nacional. Camará passou para a ala e continuou a ser um 4-3-3, mas que facilmente se desdobrava em 4-4-2 e que ganhou mais poder aéreo. Notava-se que a equipa queria mais. Havia mais pressão sobre o segundo homem do processo de construção dos vimaranenses e os da casa não conseguiam sair a jogar em condições. Muita acutilância no momento da pressão, algo que, até agora, ainda não se tinha visto da parte do Belenenses. O jogo passava muito pela criatividade e a “ginga” de Gerso que desequilibrou muito a defesa vitoriana. Muitos cruzamentos era a táctica adoptada, que não estava a resultar a 100%. Com a entrada de Miguel Rosa a equipa passou a jogar mais a bola no pé e entre linhas. O golo viria a surgir de um canto, aos 76 minutos. Palhinha apareceu muito bem a cabecear e a afundar a bola nas redes defendidas por Douglas. Um golo merecido perante o domínio “azul”. Até ao fim, um jogo muito faltoso de parte a parte que nem sempre era sancionado com critério igual por parte do árbitro. Gerso, aos 92 minutos(!!) tem uma arrancada espetacular que só não é mais perigosa porque Bruno Gaspar o trava em falta. O jogo acabou 1-1, num resultado que se ajusta mediante as partes repartidas em termos de domínio.

Com este resultado o Belenenses mantém a boa forma na Liga NOS. Para a semana receberá o Arouca de Lito Vidigal, que jogará num terreno onde costuma ser bem sucedido. Por outro lado, o Belenenses ainda não perdeu no Restelo esta época. Um bom duelo em perspectiva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Resumo: Basileia 1-2 Belenenses

Júlio Velázquez muito feliz com a equipa e adeptos

Râguebi: Belenenses é a surpresa das meias-finais

Quinze em Guimarães para assistir ao Vitória – Belenenses