A Liga das reviravoltas azuis e as vantagens desperdiçadas

O Belenenses deu a volta a um resultado pela segunda vez seguida. A equipa do Restelo anda há quatro jornadas nisto: sofre primeiro, mas recupera. Conseguiu duas reviravoltas completas nos últimos dois jogos, salvou um ponto em ambas as partidas anteriores. São aliás em tom de azul as reviravoltas na Liga: a única equipa que já conseguiu virar um resultado tantas vezes como o Belenenses é o FC Porto. Depois de uma ronda em que também o Sporting voltou a desperdiçar uma vantagem na Liga, pela segunda vez esta época, fomos olhar para esses jogos em que marcar primeiro não é sinónimo de vitória.

Reviravoltas completas houve apenas 16 nesta edição da Liga. E tanto para o Belenenses como para o FC Porto foram ao todo três as vitórias arrancadas de um arranque negativo nestas 24 jornadas. Os dragões começaram logo assim o campeonato, a vencer o Rio Ave depois de estarem a perder. À sexta jornada fizeram o mesmo frente ao Boavista com igual resultado, vitória por 3-1. E à 14ª jornada também reagiram a um golo do D. Chaves para levar os três pontos.

O Belenenses tinha-o feito pela primeira vez à quarta jornada, frente ao Nacional. Depois repetiu a proeza em Arouca, na 23ª ronda, e neste domingo frente ao D. Chaves, sempre vitórias por 2-1.

Curiosamente, FC Porto e Belenenses estão também a par quando se olha para o outro lado das reviravoltas, as vezes em que foram a equipa a perder depois de estar a vencer. Aconteceu uma vez aos dragões, no Clássico da primeira volta com o Sporting, e uma aos azuis do Restelo na visita a Chaves para a 7ª jornada, quando perderam por 3-1 depois de terem marcado primeiro.
Só duas equipas conseguiram de resto mais do que uma reviravolta na Liga: Sporting e V. Guimarães. Além do FC Porto, os leões deram a volta na visita ao Moreirense para a 21ª jornada. Os minhotos conseguiram ambas as reviravoltas em casa, frente a Paços Ferreira e Nacional.

O Sporting nunca perdeu nesta edição da Liga um jogo que começou a vencer, mas em contrapartida já se deixou empatar por duas vezes depois de marcar primeiro. Ambas frente ao V. Guimarães: a primeira depois de estar a ganhar por nada menos que 3-0, para sofrer três golos e deixar fugir dois pontos, a última neste domingo, em Alvalade.

Além do V. Guimarães, o Benfica foi a outra equipa que evitou uma derrota depois de sofrer três golos sem resposta. Foi na partida da 17ª jornada com o Boavista, mas a reviravolta não ficou completa, o resultado final foi 3-3.

Os «encarnados» não ganharam aliás nenhum jogo esta época em que tivessem estado a perder. Conseguiram apenas evitar a derrota em três casos nessas circunstâncias: além do jogo com o Boavista, fizeram-no na Luz frente ao V. Setúbal logo à 2ª jornada e no Clássico com o FC Porto da 10ª jornada, ambas empates a um golo.

O que leva também à conclusão de que o FC Porto, tendo apenas por duas vezes perdido pontos em jogos onde entrou a vencer, o fez precisamente frente aos dois rivais, em Alvalade e na receção ao Benfica.

Só houve de resto esta época uma equipa a vencer um jogo na Liga depois de ter estado a perder por dois golos de diferença: o Nacional, na receção ao Tondela para a 13ª jornada. Golos de Wagner (23m) e Miguel Cardoso (30m) pareciam dar vantagem tranquila aos visitantes até aos 63 minutos, altura em que um autogolo de Kaká abriu caminho à recuperação do Nacional, selada com golos de César (66m) e Bonilla (89m). Curiosamente, o Tondela tinha por seu lado conseguido uma reviravolta épica apenas 15 dias antes, frente ao V. Guimarães. E tudo aconteceu em dez minutos: Soares, então ainda no Minho, inaugurou o marcador aos 75m. Mas um bis de Wagner, dois golos de rajada, deu a vitória ao Tondela.

O V. Guimarães tem em contrapartida duas reviravoltas a favor, uma delas no louco jogo com o Paços Ferreira da 3ª jornada. Começou com golo de Andrezinho aos 43 segundos de jogo, seguiu com cinco golos do V. Guimarães em pouco mais de uma hora e com o Paços a reduzir ainda com um bis de Pedrinho. A outra ocasião em que a equipa de Pedro Martins ganhou um jogo que começou a perder foi frente ao Nacional, para a 10ª jornada.

A equipa que conseguiu mais reviravoltas parciais (empates depois de começar a perder), foi o Boavista, um total de quatro. Com três empates nessas circunstâncias há várias equipas. Al+em do Benfica, o Sporting, o Belenenses, o V. Guimarães, o V. Setúbal e o D. Chaves.

Algumas delas aparecem em posição idêntica no sentido oposto, deixar-se empatar depois de estar a vencer. Aconteceu três vezes ao próprio V. Guimarães, vítima frente ao Belenenses do mesmo «veneno» que aplicou ao Sporting, empates cedidos em ambos os jogos depois de estar em vantagem.

O Moreirense foi a equipa qie mais vezes cedeu empates estando em vantagem, um total de quatro, mas no topo da lista está também o Sp. Braga, a quem aconteceu por três vezes. A equipa que foi de José Peseiro e é agora de Jorge Simão também já empatou duas vezes entrando a perder. E conseguiu uma reviravolta completa, à 6ª jornada, frente ao V. Setúbal.

Reviravoltas na Liga 2016/17:

FC Porto, 3 a favor/1 contra

Belenenses, 3/1

Sporting, 2 a favor

V. Guimarães, 2/1

Sp. Braga, 1 a favor

V. Setúbal, 1/1

Boavista, 1/1

Tondela, 1/1

D. Chaves, 1/2

Nacional, 1/2

Rio Ave, 1 contra

Paços, 1 contra

Moreirense, 2 contra

Arouca, 2 contra