CA Notícias, as últimas notícias do mundo do desporto, da tecnologia e do entretenimento. Os últimos resultados, lançamentos, estreias.

Futebol Jun.: Entrevista João Louro

Tínhamos uma estratégia, sabíamos o que eles faziam e o que iríamos encontrar, mas não conseguimos contrariar (sic). Palavras do extremo João Louro (ex-Vitória de Setúbal), no rescaldo da derrota caseira (1-2), frente ao Sporting.

João Louro, 17 anos, aniversário a 28 de Março, uma carreira no futebol formação iniciada em 2006 no Arrentela, seguindo-se em 2010/2011 o Monte da Caparica e, duas épocas volvidas, em sucessão, Casa Pia, Corroios, Estoril Praia e Vitória de Setúbal, até chegar agora ao Restelo. Encontrámo-lo a 17 de Outubro, no rescaldo do Belenenses, 1 – Sporting, 2.

Como viste isto?
Complicado. Tínhamos uma estratégia, sabíamos o que eles faziam e o que iríamos encontrar, mas não conseguimos contrariar.

Vens dos juvenis do Vitória de Setúbal: como correram lá as coisas?
Foi uma boa época, com bons momentos. Conseguimos não só o apuramento para a Segunda Fase, como inclusivé chegar à Fase Final.

És extremo. Sempre o foste?
Não. Eu jogava no meio-campo, a dez ou médio-ofensivo, nessa zona. O ano passado é que me adaptaram a extremo e aí me tenho mantido, desde então.

Pontos fortes?
Visão de jogo, movimentação e agressividade.

E aqueles que mais gostarias de melhorar?
Há coisas que não consigo fazer, derivado a limitações de ordem física. Por isso, aí é eu onde mais gostaria de melhorar.

Que esperas de ti, para esta época?
O mister escolheu-me e eu quero retribuir, dando tudo pelo Belém, focado no grupo.

Algum jogador com quem te identifiques?
Nenhum, mas pela qualidade que têm, gosto de ver jogar o Messi e o Özil. São ambos muito bons.

Tens alguma época mais marcante, que queiras recordar?
A do ano passado foi especial. Afinal, ainda só vou no meu terceiro ano de competição, a uma escala nacional, e já posso dizer que fiz um bom Campeonato, ao atingir a Terceira Fase, a Final.

E um jogo memorável?
Um do ano passado, pelo Vitória, em que ganhámos 2-1 ao Benfica e fui eu quem marcou o golo da vitória, mesmo a acabar. Foi um bom momento.

Que ambição, para quando chegares a sénior?
Como é óbvio, gostaria de chegar a profissional e de preferência aqui, no Belém. Claro, o meu futuro poderá passar por outras paragens, eventualmente mais convenientes, no momento.

Alguma mensagem final?
Em primeiro lugar, agradecer à minha família que, sempre que pode, está presente. Agradecer também à família belenense, sempre a apoiar-nos. Ao grupo, quero dizer que estamos juntos e iremos lutar até ao fim.

Fonte: Belenenses Jovem

X