in

Deyverson alimenta um belo sonho azul

, Deyverson alimenta um belo sonho azul

Poucos acreditariam, no início da época, que à 9.ª jornada o Belenenses estaria no 5.º lugar do campeonato, à frente do Sporting e a apenas quatro pontos do FCPorto e cinco do Benfica. A verdade é que o sonho azul é uma realidade, que se explica pela organização que Lito Vidigal colocou na equipa e a pontaria de Deyverson, o brasileiro que marcou ontem mais dois golos – já são sete na 1.ª Liga –, ameaçando a liderança de Talisca na tabela dos melhores artilheiros.


Consulte o direto do encontro.

Nem a chuva que caiu copiosamente durante o início do encontro, e em quase toda a primeira parte, tolheu o empenho dos jogadores da casa, que procuraram e conseguiram resolver o duelo com o aflito Boavista o mais depressa possível. De facto, quando a equipa de Petit “acordou” para o jogo, já estava a perder por 3-1, depois de a sua defesa ter sido trucidada pela pontaria de Deyverson (2 golos), a mobilidade de Fábio Sturgeon (grande jogo, com duas assistências) e a fiabilidade de Miguel Rosa, que assistiu o 1-0 e fechou a contagem, aos 34’, numa bela cabeçada na sequência a um cruzamento em esforço de Sturgeon.

Os azuis abriram o placar logo aos 14’, numa rápida incursão de Miguel Rosa pela esquerda, a que Deyverson deu a melhor conclusão. E nem o golo de Brito logo a seguir – aproveitando um mau passe de Bruno China para ludibriar Meira e Matt Jones – abalou a confiança dos homens do Restelo, que bem antes do intervalo já tinham decidido tudo.

Tração total

Petit lançou no onze inicial os últimos reforços do Boavista – os nigerianos Uchebo e Reuben Gabriel, este último em estreia absoluta –, apostando na força para dominar o meio campo (Idris juntou-se a Tengarrinha no miolo), num relvado que se previa pesado. Mas não contava com a tração às quatro rodas do ataque belenense: fez três golos nos primeiros três remates à baliza de Mika.

É certo que no segundo tempo o Boavista somou mais remates e pontapés de canto, mas tirando um tiro de Brito à malha lateral (71’) e um livre de Leozinho que Matt Jones resolveu com dificuldade (74’), a produção ofensiva axadrezada deixou muito a desejar. Houve força (Uchebo foi um lutador) mas pouca arte, apesar da agitação que Leozinho e Wei Shihao trouxeram do banco.

O Belenenses, por seu lado, optou pela gestão da vantagem. Pelé e o quarteto defensivo nunca passaram do meio campo nos segundos 45 minutos. Ainda assim, Deyverson esteve à beira do hat trick (88’), mas Lucas Rocha tirou-lhe o pão da boca. Também seria um castigo demasiado pesado para o Boavista.

O homem do jogo: Sturgeon

A atuar nas costas de Deyverson, o avançado foi precioso nas assistências dos segundo e terceiro golos do Belenenses, os que garantiram o triunfo.

Árbitro

Rui Costa (nota 4)

Arbitragem tranquila, sem influência no resultado. O estado do terreno podia ter complicado, mas o portuense foi coerente, inclusive no aspeto disciplinar.

Momento

O segundo golo de Deyverson, ao minuto 30, desfez a igualdade que Brito havia reposto, logo após o 1-0, e lançou definitivamente o Belenenses para a vitória e controlo do jogo.

Número

4 Vitórias seguidas do Belenenses em 16 dias, no melhor ciclo da equipa esta época. Tudo começou frente à AD Oliveirense (2-3 a.p., na Taça), seguindo-se Estoril (1-2) e Ac. Viseu (2-0, T. Liga).

Fonte: Record

, Belenenses vence e passa Sporting

Belenenses vence e passa Sporting

, Deyverson: 7 Primeiro bis garantiu pontos

Deyverson: 7 Primeiro bis garantiu pontos