in

Novas curtas-metragens documentais a estrear em breve na Netflix

Novas curtas-metragens documentais a estrear em breve na Netflix,netflix, Novas curtas-metragens documentais a estrear em breve na Netflix, CA Notícias, CA Notícias

Na Netflix, encontra as melhores curtas-metragens documentais premiadas e ainda uma seleção de títulos imperdíveis para todos os gostos, tanto para quem não é espetador habitual de curtas como para os apreciadores do género.

Este verão, a plataforma de streaming promete enriquecer a sua coleção com três curtas documentais inspiradoras e edificantes.

Conheça as novidades novidades da Netflix para o verão:  

O Clube de Claudia Kishi” (10 de julho)

Para muitas mulheres ásio-americanas (e de outras etnias), foi com Claudia Kishi que se viram representadas, pela primeira vez, numa popular série de televisão. Uma das personagens principais da célebre série de livros “O Clube das Baby-Sitters”, era também uma das poucas figuras ásio-americanas com lugar na cultura popular dos anos 80 e 90. Num tempo em que era raro haver protagonistas ásio-americanos, Claudia foi mais longe e rompeu com os estereótipos associados a personagens asiáticas: era criativa, popular e, mais surpreendente ainda, não era boa aluna. Para os leitores que ansiavam por se ver representados nos conteúdos que consumiam não como elementos de exotismo ou acessórios simbólicos, mas como seres humanos plenos, Claudia foi uma revelação.

Claudia era uma artista promissora e tornou-se um modelo a seguir muito especial para jovens aspirantes a criadores, muitos dos quais são agora pioneiros nas suas áreas. “O Clube de Claudia Kishi” conta com a participação de carismáticos artistas e escritores ásio-americanos como Yumi Sakugawa, Sarah Kuhn e Phil Yu. Através de leituras nostálgicas, recordações pessoais e colagens em ‘stop motion’ com uma estética de trabalhos manuais, esta curta transmite a premente mensagem da importância da representatividade nos média.

The Speed Cubers” (29 de julho)

O ‘speedcubing’, uma modalidade competitiva que consiste em resolver um Cubo de Rubik em poucos segundos, tem vindo a tornar-se um fenómeno global nos últimos anos. Durante quase uma década, o australiano Feliks Zemdegs foi o campeão indisputado da modalidade, o melhor velocista do cubo de todos os tempos. Até agora. O mundo do ‘cubing’ foi abalado quando um competidor desconhecido da Califórnia chamado Max Park levou para casa a medalha de ouro em 2017 e se tornou um nome conhecido a nível global. Desde então, a ascensão de Max tem sido célere e constante, e apenas um obstáculo se interpõe no seu caminho — Feliks. Os dois têm acumulado vitórias e batido recordes mundiais, sendo que a hegemonia está fora do seu alcance enquanto ambos competirem. Mas, em vez de uma rivalidade aguerrida, a relação competitiva de Feliks e Max deu origem a uma amizade terna e complexa.

Max tem autismo acentuado e a sua família utiliza o ‘speedcubing’ como terapia para desenvolver as suas competências sociais e emocionais. Para seu espanto, o maior rival de Max no ‘speedcubing’ tornou-se o seu maior aliado na difícil convivência com o autismo. A nossa história encontra Max e Feliks a caminho de outro campeonato mundial, ambos decididos a vencer, mas sem deixarem de torcer pelo sucesso um do outro. No entanto, apenas um dos dois amigos pode sagrar-se campeão. Quem será? Mais importante do que isso, irá esta amizade sobreviver ao resultado?

John Was Trying to Contact Aliens” (20 de agosto) 

John Shepherd tinha uma missão especial na vida: estabelecer contacto com extraterrestres. Ao longo de trinta anos, John transformou a casa dos avós numa zona rural do Michigan num laboratório incrível, de onde emitia música para o espaço profundo. “John Was Trying to Contact Aliens” começa por retratar a ascensão e queda deste projeto individual de busca de vida extraterrestre inteligente, alargando depois o espectro para o tema mais lato da necessidade humana de criar ligações. O filme venceu o prémio do júri para a melhor curta-metragem de não-ficção na edição de 2020 do Festival de Cinema de Sundance.

Novas curtas-metragens documentais a estrear em breve na Netflix

A Netflix é a plataforma de eleição para curtas documentais vencedoras do Óscar como “Os Capacetes Brancos” e “Período: O Estigma da Menstruação”, além de títulos nomeados para as estatuetas douradas como “Quando a Vida nos Atraiçoa”, “Fim de Jogo”, “Heroin(e)” e “Extremis”.

Seguem-se outros títulos da sua coleção de curtas-metragens documentais originais:

  • “Um Álibi Improvável”

  • “Zion” 

  • “Ghosts of Sugar Land” 

  • “Ram Dass, Going Home” 

  • “Lições de um Massacre na Escola: Cartas de Dunblane”

  • “Lorena, la de pies ligeros”

  • “Surfar por uma Nova Vida” 

  • “Birders: O Caminho das Aves” 

  • “Esta é a Minha Família” 

  • “A História de Duas Cozinhas” 

  • “Little Miss Sumo” 

  • “Después de la redada” 

  • “Sovdagari: O Mercador” 

  • “De Muitos, Um”

  • “Depois do Furacão Maria” 

  • “Um Abraço de Três Minutos” 

  • “Primeiro as Senhoras” 

A coleção completa de curtas-metragens documentais pode ser encontrada aqui: www.netflix.com/docshorts.

Sobre a Netflix 

A Netflix é o serviço de streaming presente em mais de 190 países, conta com 183 milhões de adesões pagas de membros que usufruem de séries, documentários e filmes numa ampla variedade de géneros e idiomas. Os membros podem ver o que quiserem, quando quiserem e onde quiserem, em qualquer ecrã com ligação à internet. Podem ver, parar e continuar a ver, sem anúncios nem compromissos.

, “O fim é o princípio”: Netflix estreia terceira e última temporada de “Dark”, CA Notícias, CA Notícias

“O fim é o princípio”: Netflix estreia terceira e última temporada de “Dark”

, De atuações ao vivo a convidados em estúdio: acompanhe aqui a emissão especial Rock In Rio Lisboa, CA Notícias, CA Notícias

De atuações ao vivo a convidados em estúdio: acompanhe aqui a emissão especial Rock In Rio Lisboa