in

Belenenses-Boavista: Reencontro de campeões

, Belenenses-Boavista: Reencontro de campeões

 

Belenenses e Boavista vão reacender, segunda-feira, a discussão sobre o 4.º grande. Os dois emblemas, os únicos que conseguiram conquistar títulos, além dos crónicos vencedores Benfica, FC Porto e Sporting, vão disputar o primeiro duelo desde 2008, quando ambos estiveram juntos pela última vez na 1.ª Liga.


[pull_quote_left]Belenenses é favorito, pois o Boavista ainda corre atrás do prejuízo
Fernando Mendes, antigo jogador dos dois clubes[/pull_quote_left]
Nesse jogo, os axadrezados venceram 3-2, confirmando a tendência iniciada no início deste século, quando a discussão ganhou tom devido ao título de campeão nacional conquistado pela equipa do Bessa. Antes, no século passado, a questão nem era levantada. O Belenenses era o 4.º grande e o Boavista “apenas” o segundo emblema da Invicta.

Fernando Mendes, único jogador a representar os cinco campeões nacionais, passou pelos dois clubes em fases diferentes e não tem dúvidas. “OBelenenses, pela sua história, é o 4.º grande. Também pela grandeza, o Belém tem representação nacional, com adeptos no país inteiro, enquanto o Boavista é um clube mais local, que conseguiu um crescimento notável para a sua dimensão”, explica.

A análise do antigo internacional é correta. O Belenenses começou a conquistar títulos logo após a sua fundação (1919), ganhando o campeonato de Portugal três vezes, e nessa altura a competição (antecedeu a Taça de Portugal) era a que definia o campeão nacional. Os azuis venceram depois a 1.ª Divisão, na época 1945/46, e três Taças de Portugal.

Em 2002, após o jogo que venceu no Restelo (0-2), a claque do Boavista incendiou a camisola gigante do clube rival lisboeta.

Em 2002, após o jogo que venceu no Restelo (0-2), a claque do Boavista incendiou a camisola gigante do clube rival lisboeta.

O Boavista foi um fenómeno do pós-25 de Abril. Só ganhou a primeira das suas cinco Taças em 1975, mas o crescimento no último quartel do século 20 levou-o ao título de campeão e a aproximar-se do rival lisboeta em termos de troféus. Surgiu, então, a tal frase da discórdia: “o 4.º grande somos nós.”

Fernando Mendes guarda boas recordações dos dois clubes. “Com o Boavista, ganhei uma Taça de Portugal contra o FCPorto, em 1992. No Belenenses, fiz uma época tão boa que me abriu as portas do FC Porto, aos 29 anos”, recorda o antigo lateral-esquerdo.

Nesta jornada há novo episódio desta rivalidade que, nos jogos disputados no Restelo, apresenta um saldo muito favorável aos azuis.

Última vitória da formação azul já foi há 20 anos

• Azuis e axadrezados voltam a defrontar-se, seis anos depois, num duelo que foi ganhando importância nas últimas décadas, em grande parte devido ao crescimento do clube nortenho. Os adeptos do emblema portuense reclamaram o estatuto de 4.º grande, assunto que para os do Restelo nunca mereceu, nem mesmo quando o novo rival se sagrou campeão nacional. A verdade é que, apesar de o saldo nos jogos em Lisboa ser favorável aos azuis, o Boavista não perde no Restelo desde 1994 (3-1), já há 20 anos, portanto, período que correspondeu ao seu maior crescimento. Oatual momento das duas equipas “obriga” a colocar o Belenenses como favorito na segunda-feira à noite.

 

Fonte: Record

, Futebol Juvenis “B”: Belenenses, 9 – Agualva, 0

Futebol Juvenis “B”: Belenenses, 9 – Agualva, 0

, FILIPE MENDES NÃO JOGAVA HÁ 13 MESES

FILIPE MENDES NÃO JOGAVA HÁ 13 MESES