em , ,

Mumford & Sons na Altice Arena – De Lisboa para toda a Europa, o arranque da Delta Tour

No dia da Liberdade, a banda de folk britânica Mumford & Sons regressou a Portugal, pela quarta vez, com a sua mais recente DELTA TOUR.

A convite da banda britância, a primeira parte esteve a cargo dos australianos, Gang Of Youths. O grupo composto por David Le’aupepe, Max Dunn, Jung Kim, Joji Malani e Donnie Borzestowski, tem apenas 7 anos de vida e tem tentado ganhar nome com o seu primeiro álbum “The Positions”, de 2015. Com uma performance competente e atraindo a atenção da plateia, o grupo australiano acabou por ter o seu momento maior uma hora depois do fim da sua actuação – mas já lá vamos.

A estrutura montada no centro da Altice Arena criava curiosidade para espectáculo que estava para começar. Se é verdade que são cada vez mais comuns os concertos 360º, também não é menos verdade que podem ser explorados de diversas formas – como palcos rotativos, por exemplo – e ainda criam curiosidade no público português. E se o palco no centro da plateia retira lugares disponíveis, a verdade é que a Altice Arena, apesar de bem composta, ficou longe de estar cheia com o segundo balcão praticamente fechado.

Com o palco no centro da sala e um coro de fãs a toda a volta, Ben Lovett, Marcus Mumford, Ted Dwane e Winston Marshall puderam sentir todo o carinho do público ali presente. A relação com os fãs portugueses – mais concretamente na zona de Lisboa – já vem longa, depois de duas passagens pelo NOS Alive, em 2012 e 2015, e do concerto no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, em 2013. Nesta quarta aparição trazem um peso maior no panorama da música mundial, sendo que a dúvida entre o público era se ia assistir a concerto intimista ou uma grande produção mundial – quiça a combinação?

O single “Guiding Light” foi o mote para o arranque do concerto, o primeiro da Delta Tour Europeia, depois de uma digressão na América. Como seria de esperar, grande parte do concerto foi dedico ao seu mais recente album “Delta”, lançado a 16 de Novembro, mas foi notório que para já só os singles tem um espaço conquistado nos ouvidos dos fãs.

Com um seguro “Boa Noite”, pelo vocalista Marcus Mumford, seguiu-se então o regresso às origens com a “Little Lion Man”, “Holland Road” e “The Cave”, do albuns “Sigh No More” e “Babel”. Estas transições ajudaram a equilibrar o concerto com os êxitos que elevaram a banda ao reconhecimento mundial nestes 10 anos de estrada, dando espaço para as músicas mais recentes que ainda não conquistaram os fãs terem espaço para crescer.

Sempre com um sorriso de no rosto, a banda avançou com com “Beloved” e “Lover of the Light”, com Marcus na bateria e a Altice Arena repleta de luzes de telemóvel neste último tema.

Como já referido, o palco 360º pretendia trazer uma maior proximidade entre a banda e o público, mas para Marcus Mumford isso não era suficiente. Então, em plena correria pelo meio de toda a plateia, a música “Believe” vai ficar para a história de muitos fãs como o momento em que estiveram lado a lado com o vocalista dos Mumford & Sons.

Entre músicas, Marcus tenta cantar para um lado do palco, tenta cantar para o outro, mas acaba por ser o facto menos conseguido do espetáculo, sentir um “abandono” quando temos a atenção virada para o outro lado.

Fomos passando então por umas partes mais fria do concerto, que não deixava de captar a atenção e os corações do público com a simplicidade da banda – sem auto-tunes ou intrumentais pré-gravados – e os refrões cantados a uníssono em todo o recinto.

A banda continuou a desbravar reportório até “The Wolf”, que ditou o fim da primeira parte da actuação dos Mumford & Sons.

No regresso, a banda juntou-se no centro do palco para cantar quase a capella – não fosse a guitarra acústica tocada por Marcus, que ditava o ritmo. Mais uma vez, foi esta simplicidade e qualidade musical demonstrada neste momento que durou duas canções – “Timshel” e “Forever” – que que potenciou a banda para um reconhecimento Mundial.

O momento de celebração de Gang of Youths ocorreu nesta altura do concerto, com o convite para regressarem a palco e fazerem uma versão de “Blood” dos seus conterrâneos australianos Middle East. O resultado foi algo idêntico ao video em baixo:

A caminho acelerado para o fim do concerto houve tempo para o exito maior da banda britânica, “I Will Wait”, cantado com toda a força pelo público presente num momento para mais tarde recordar. A apoteose acabou com confettis e uma despedida com promessa de regresso em breve ao nosso país, em “Delta”.

A quarta passagem por terras lusas da banda britânica fica para a história como a bonita celebração do sucesso e comunhão conquistados ao longo destes dez anos.

DELTA TOUR – MUMFORD & SONS | 25 de Abril | Altice Arena

Setlist

Guiding Light
Little Lion Man
Holland Road
The Cave
Beloved
Lover of the Light
Tompkins Square Park
Believe
Ditmas
Slip Away
Picture You
Darkness Visible
The Wolf

Encore:
Timshel
Forever
Blood (The Middle East Cover)
Awake My Soul
I Will Wait
Delta

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Liga (31ª): Flash Interview Pizzi

Liga (31ª): Flash Interview Pizzi

OnePlus 7 Pro ganha as mais altas classificações da Display Mate

OnePlus 7 Pro recebe altas classificações da DisplayMate