em , , ,

La Fura Dels Baus no 24.º Super Bock Super Rock

La Fura Dels Baus apresentam o espetáculo "IN-UP//OUT-UP", especialmente desenhado para o Super Bock Super Rock. No dia 21 de julho, o grupo teatral de Barcelona regressa ao Parque das Nações, 20 anos depois da Expo’98, com uma performance que reunirá música ao vivo, dança aérea, fogo-de-artifício, grandes elementos, interação com o público, fogo e água num espetáculo inesquecível.

La Fura Dels Baus apresentam o espetáculo “IN-UP//OUT-UP”, especialmente desenhado para o Super Bock Super Rock. No dia 21 de julho, o grupo teatral de Barcelona regressa ao Parque das Nações, 20 anos depois da Expo’98, com uma performance que reunirá música ao vivo, dança aérea, fogo-de-artifício, grandes elementos, interação com o público, fogo e água num espetáculo inesquecível.

De dentro para fora, sempre tocando o céu

La Fura dels Baus regressam ao Parque das Nações, em Lisboa, vinte anos depois de terem atuado na EXPO’98. Em 2018 estão de volta para apresentar o espetáculo “IN-UP//OUT-UP”, desenhado exclusivamente para o Super Bock Super Rock. Uma performance cheia de metáforas poéticas, que conciliará música ao vivo, dança aérea, fogo-de-artifício, grandes elementos, interação com o público, fogo e água para um espetáculo grandioso.

O espetáculo “IN-UP//OUT-UP” é composto por duas partes, explorando o melhor dos diversos ambientes que caracterizam o actual formato assumidamente urbano do Super Bock Super Rock: uma parte indoor, e outra ao ar livre.

La Fura Dels Baus

 

Mariola Membrives
Mariola Membrives

Indoor
A conhecida cantora de flamenco, Mariola Membrives, vai levantar voo sobre o público, dentro do Palco Super Bock. Da indumentária fazem parte saias com 8 metros de comprimento e a sua voz única e poderosa vai seguramente surpreender tudo e todos. Caráter e vertigem: o prelúdio perfeito para a Rede Humana Interna, que surgirá entre o público, com a música e os efeitos sonoros criados especialmente e tocados ao vivo por Miki Espuma. Serão momentos e coreografias muito plásticas e visuais, cheios de metáforas do quotidiano. Esta primeira parte será o embrião do que se poderá ver depois, ao ar livre.

 

Ao Ar Livre
Tirando partido do corredor da água existente, que marca o cenário do Parque das Nações, um Transformer, juntamente com uma comitiva de personagens de fogo, vai passear entre o público em busca da sua amada, Mariola Membrives, que estará à sua espera no telhado. Nesse momento, já a usar outro vestido majestoso, a cantora de flamenco vai aceitar a oferta do Transformer, e sentar-se ao seu colo no meio de uma história de amor, enquanto canta uma linda canção. Toda esta sintonia despertará um enorme Cilindro Humano, formado por 42 pessoas, a dançar em uníssono, que entrará na água.

À medida que a coreografia avança, esse cilindro humano começa a transformar-se numa rede, uma imensa Rede Humana, que se forma por cima da água, onde toda a energia, sintonia e cooperação dos artistas é refletida. A metáfora visual de que a união faz a força. Uma imagem final, reforçada por fogo-de-artifício, que completa toda a adrenalina vivida.

A Rede Humana será formada por artistas da EPAOE – Escola Profissional de Artes e Ofícios do Espectáculo do Chapitô.

Um espetáculo arriscado, visualmente poderoso e que vai invadir o recinto do Super Bock Super Rock no dia 21 de julho, para um final de Festival grandioso e inesquecível.

Sbsr

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Christiane Jatahy no Alkantara Festival 2018

Festas de Lisboa’18: Arraiais Populares