em ,

Descubra as Galerias Romanas de Lisboa

Na movimentada Baixa de Lisboa esconde-se um alçapão, no meio da estrada da Rua da Conceição. Entre muitos carros e elétricos, quem consegue ter acesso ao seu interior descobre um dos monumentos mais restritos de Lisboa - as Galerias Romanas.

Na movimentada Baixa de Lisboa esconde-se um alçapão, no meio da estrada da Rua da Conceição. Entre muitos carros e elétricos, quem consegue ter acesso ao seu interior descobre um dos monumentos mais restritos de Lisboa – as Galerias Romanas.

Descendo cerca de 6 metros, entre degraus que só cabe a ponta dos pés, chegamos às Galerias Romanas. Datadas da época romana, 1ª metade do séc. I d. C., a estrutura foi descoberta em 1771 após a reconstrução da Baixa Pombalina – destruída pelo terramoto de 1755.

Lídia Fernandes, coordenadora do Museu de Lisboa, conta-nos durante a visita que este é um dos raros criptopórticos existentes em Portugal, que terá servido para sustentar edifícios de grande dimensão localizados na superfície.

Anteriormente, pensou-se – erradamente – que teria sido umas termas. Hoje em dia, com uma visão mais esclarecida mas não totalmente desvendada, sabe-se que originalmente a estrutura foi construída como um criptopórtico mas que ao longo do tempo teve várias utilizações, como por exemplo servir de suporte ao transporte de mercadorias na actividade portuária e, no início do século XX, como cisterna de água para a população.

Entre estas dúvidas e certezas, acredita-se que existam mais galerias em áreas contiguas, outros pontos de entrada e bocas de poço. Para já, o que está descoberto e visitável, são 40 metros em linha recta com 8 galerias ao longo do percurso.

Tiago Pereira

Apesar dos seus 2 mil anos, o estado de conservação é muito bom – mesmo estando continuamente submersa por um metro e meio de água.  Essa água não provém do Rio Tejo que está mesmo ali ao lado, mas sim dos lençóis freáticos. Aquando da descoberta em 1771, várias fissuras foram tapadas com cimento, que permitiu uma maior protecção contra infiltrações mas dificultando o estudo da estrutura .

Tiago Pereira

Por motivos arquitetónicos não é possível abrir as Galerias mais do que as duas vez por ano. A sua longa submersão nas águas provenientes dos lençóis freáticos obriga a complexas operações de drenagem  para estes poucos dias de abertura, não sendo possível colocar a estrutura completamente a seco por motivos de estabilidade.

Tiago PereiraInserido nas actividades de “Lisboa por Dentro“, as Galerias Romanas este ano abriram mais cedo que o habitual. Voltam a abrir no final de Setembro com as inscrições a abrirem cerca de 20 dias antes, no portal criado para a ocasião. O preço simbólico de 2€ por visita garante que não haja desistências neste monumento que tantos Portugueses – e não só – querem um dia conseguir visitar.

Em baixo, poderá descobrir mais sobre o interior das Galerias Romanas com as nossas fotos.

Galerias Romanas

Explore this photo album by tgpereira on Flickr!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Isabel de Santiago explica convite para viagem a São Tomé e Príncipe

Juniores: Belenenses recebe o Sporting amanhã no Restelo

Situação de Lito por resolver

Yebda está em dúvida para o Porto