Crítica Cinema – “Serenidade” (Serenity)

Um filme realizado por Steven Knight.

“Serenidade” é um filme realizado por Steven Knight (que esteve por detrás de filmes como “Locke”, “Promessas Perigosas” ou “Aliados”) que traz o regresso de Matthew McConaughey e Anne Hathaway aos cinemas.

Este thriller acompanha Baker Dill (McConaughey), o dono de um barco de pesca onde passeia turistas pelo mar que rodeia a Plymouth Island. Certo dia, dá de caras com a sua ex-mulher Karen (Hathaway), que lhe pede ajuda para matar o seu atual marido, que a agride e também trata mal o seu filho. A proposta é que Dill leve o homem numa excursão no barco e que depois o atire aos tubarões, deixando-o às garras da morte. O aparecimento de Karen provoca uma grande alteração na vida de Baker Dill, mas será que ele vai abandonar a sua vida serena e vai ser capaz de matar um homem?

1

Se nos agarrarmos muito à sinopse do filme, o mais provável é acharmos que será como tantos outros que tratam de vinganças e que se tornam em filmes românticos. Por muito tempo, é o que este filme parece: não ser nada de especial e, para piorar, com diálogos tão simples e forçados que se tornam estranhos.

Na verdade, tudo parece demasiado estranho, incluindo as personagens secundárias, que parecem apenas ter a função de estar em certos sítios em determinados momentos. A sensação que temos é de que apenas o protagonista foi trabalhado e o resto apenas funciona em função dele.

É, então, num momento em que começamos a considerar o filme péssimo que se faz luz e “Serenidade” revela ser uma grande surpresa, para o qual não estamos minimamente preparados – pois já o estávamos a considerar um filme pouco original e com um mau argumento. Tudo se revela e tudo começa a fazer sentido, especialmente a tal superficialidade até então notável, e o resultado passa a ser um filme completamente diferente do que até aí parecia ser.

3

Os atores principais contribuem bastante bem para o “fator-surpresa” do filme, pois as suas ações não levam a pensar sequer no final do filme. Para além disso, contribuem para que o filme tenho uma essência sensual e atrevida, que foi pensada de uma maneira bastante interessante.

O resultado de “Serenidade” é um filme que surpreende, mas que certamente será bastante ambíguo no que toca a opiniões.

70%

Serenidade (Serenity)

  • Joana Maria