em

Antevisão Euro 2016: Grupo B

O Grupo B reúne Inglaterra, Rússia, Eslováquia e País de Gales. Será expectável o apuramento de Inglaterra e uma luta aguerrida pela segunda e possível terceira vaga entre as restantes selecções, bastante semelhantes no que à qualidade diz respeito.

O Grupo B reúne Inglaterra, Rússia, Eslováquia e País de Gales. Será expectável o apuramento de Inglaterra e uma luta aguerrida pela segunda e possível terceira vaga entre as restantes selecções, bastante semelhantes no que à qualidade diz respeito.

Inglaterra

A selecção inglesa chega a este Campeonato Europeu com grandes esperanças. Aliando uma fase de qualificação imaculada – com 10 vitórias em outros tantos jogos – com uma selecção revigorada, os adeptos de futebol esperam muito para esta campanha. A maior força do conjunto poderá estar no facto de grande parte dos jogadores mais utilizados pertenceram ao Tottenham e fazerem valer-se do entrosamento entre jogadores como Danny Rose, Walker, Dier, Delle Alli e Harry Kane para evidenciar processos de jogo assimilados ao longo de uma época que findou há pouco. Destaque também para Jamie Vardy, uma das maiores sensações da Premier League. A maior lacuno encontrar-se-à no sector mais recuado, onde alguns lapsos são mais recorrentes do que desejado, apesar de terem sofrido apenas 3 golos no caminho até França.

Wayne Rooney

Rússia

A selecção russa será sempre razão para se desconfiar. A grande maioria dos jogadores provêm da liga local, logo a química entre eles não deverá ser posta em causa. No entanto, tal como os ingleses, a grande fraqueza será o centro da defesa, composta pelas habituais primeiras escolhas Ignashevich e Vasili Berezutski que, apesar da sua enorme experiência, não tem a velocidade como qualidade. Referência para a fluidez e a velocidade dos homens do flanco e a precisão de avançados como Dzyuba e Kerzhakov.

Aleksandr Kokorin

Eslováquia

A selecção eslovaca conta no seu currículo com uma vitória surpreendente sobre a Espanha na fase de qualificação. Discutirá juntamente com Rússia e País de Gales o apuramento para a seguinte fase. Curiosidade neste selecção será a convergência de pontos fortes e, ao mesmo tempo, pontos fracos num único jogador: Marek Hamsik. O génio do Nápoles tende a não ter a mesma influência na sua selecção, o que poderia ditar a diferença face às suas, indiscutíveis, qualidades. Apesar disto a Eslováquia conta com a experiência de Skrtel na sua defesa e de homens como Miroslav Stoch e Vladimír Weiss para criar desequilíbrios.

Marek Hamsik

País de Gales

Passados mais de cinquenta anos desde a sua última presença em grandes competições, os galeses voltam aos grandes palcos. Esta selecção poderá ser uma surpresa neste lote. Detendo um jogador capaz de mudar qualquer jogo num ápice, como é Gareth Bale, e com a classe de Ramsey no centro do terreno, será uma equipa a observar. A ausência de uma referência finalizadora é algo preocupante.

Gareth Bale

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Acabou a Época 2013/2014

Jéssica Vieira alcançou minímos para os Jogos Olímpicos

Lito Vidigal tem opção

Futsal: Carlos Teixeira continuará ao leme da equipa