in ,

Pérolas do Retrogaming: Sonic the Hedgehog 2 (1992)

Pérolas do Retrogaming: Sonic the Hedgehog 2 (1992)

No caso da história em Sonic the Hedgehog 2, voltamos essencialmente à mesma trama básica do primeiro: um personagem que visa deter os planos de um cientista maluco que quer dominar o mundo. Apesar de ser uma história básica e já demasiadamente cliché, neste tempo resultava especialmente no caso dos jogos de Sonic antes de terem saltado para 3D.

No entanto, posso dizer desde já que este jogo me conseguiu prender muito mais em relação ao primeiro. Não só por ser um produto com características novas, mas também com uma dinâmica melhor nos níveis. A ponto até de saber a pouco!

Nota: Este jogo refere-se à versão de Sonic the Hedgehog 2 que pode ser encontrada no Sonic Mega Collection e que é relativamente leal ao original da Mega Drive.

Gameplay

Regressam os mesmos controlos que no primeiro jogo, exceto que agora há o maravilhoso spindash! Não só é algo excelente para atacar os inimigos, mas também é excelente para acelarar o ritmo do gameplay.

Tails morrendo pela enésima vez neste jogo!

Ah e desta vez o Sonic tem o Tails a acompanhá-lo. Esta personagem é, por assim dizer um sidekick que praticamente imita os movimentos do personagem principal, segue-nos para todo o lado e passa a vida a levar no corpo e a morrer. Os interessados poderão jogar com o Tails caso tenham um segundo comando à mão.

Pena é o raposo ser lento comó raio!

No que toca aos níveis, cada um tem dois atos e uma boss fight no fim de cada segundo ato (um dos níveis tem dois atos excepcionalmente). Há ainda as Special Stages que te permitem ganhar uma Esmeralda do Caos se coleccionares o número certo de anéis. Além disso, há ainda a opção de jogar com 2 jogadores num modo de “competição” para ver quem chega ao fim do nível primeiro.

Os Pros

Os desafios neste jogo são sem dúvida muito mais excitantes em relação ao primeiro. Sem dúvida que aquele ritmo lento de que tanto me queixei no primeiro jogo desapareceu e agora este sim é um jogo onde se pode correr até mais não! O design dos níveis tem partes que praticamente puxam o jogador a correr.

Spindash… Ah bendito spindash!

Enquanto pessoa que conviveu mais com os jogos modernos do Sonic, devo dizer que senti saudades do spindash! No primeiro jogo a personagem era bem mais lenta sem esta característica e a diferença nota-se bem em relação a este jogo. É divertido ver o Sonic a correr tão rápido que quase sai da vista da câmara!

Antes isto que o raio do pinball do primeiro jogo!

As special stages deste jogo também  são bem melhores que as do primeiro jogo que mais parecia uma espécie de pinball. Exigem concentração e são bem mais dinâmicas em relação às opções do primeiro jogo. Aliás, penso o mesmo da opção de corrida com dois jogadores que é do mais divertido que se possa jogar se o objetivo for fazer o tempo passar (e não, o Sonic não é mais rápido que o Tails; eu mesma experimentei jogar com os dois e ambos têm as características praticamente iguais).

Ah e a música… Algo que mesmo os piores jogos de Sonic (sim, incluindo o Sonic 06 e o Sonic Boom) acertam sempre! Devo dizer que passei tanto tempo neste nível que praticamente decorei a batida!

Os Cons

A minha confissão do dia: eu gosto de jogar com o Tails (especialmente na série Sonic Advance que me deu boas memórias)… mas neste jogo ele não tem lá muita utilidade! No gameplay principal com um jogador ele apenas imita os movimentos do jogador principal e, para ser sincera, tanto fazia tê-lo atrás de mim como não!

Tails sendo Tails…

Já muitos gozaram com isso, mas ele só existe para passar a vida a morrer ou a perder-se do Sonic. Mesmo com a possibilidade de controlares o Tails com um segundo controlo, isso acaba por ser mais frustrante. Porquê? Porque a ação e a câmara seguem o Sonic! Se fores o Tails neste jogo mal vais precisar de tocar no comando, especialmente se o jogador 1 for dos que gosta de correr.

Era suposto isto ser intimidante?

Mais uma vez este é dos casos em que o boss final me decepciona. Primeiro lutas contra o Metal Sonic, depois contra um robô gigante do Robotnik. A verdade é que foram ambos demasiado fáceis, sendo talvez o Metal Sonic aquele que foi mais interessante como boss. Ainda assim senti-me mais desafiada com os outros bosses do jogo do que com este.

E esta talvez seja uma crítica de chatinha… Mas este jogo acaba-se muito depressa, especificamente em menos de 2h. Eu sei que são jogos de Megadrive, mas ainda assim, atualmente, um jogo destes acaba a saber a pouco.

Consenso

Como já tinha dito na crítica anterior, este foi o jogo que deu maior notoriedade ao ouriço azul no mercado. Com designs de níveis mais dinâmicos, maior fluidez nos controlos e desafios que exigem rapidez e concentração ao mesmo tempo, Sonic the Hedgehog 2 é um jogo no qual definitivamente gosto de pegar novamente.

Infelizmente nunca cheguei a ser um Super Guerreiro neste jogo!

Apesar do tempo rápido que se leva a acabar este jogo, do boss final fraco e da inutilidade do Tails como sidekick, nenhum destes defeitos me faz “odiar” esta maravilha do retrogaming.

Rio Ave FC, Golo anulado, Gelson Dala, 22m

Rio Ave FC, Golo anulado, Gelson Dala, 22m

CD Tondela, Golo, S. Peña, 58m, 1-1

CD Tondela, Golo, S. Peña, 58m, 1-1