in

billy Woods + Amador

, billy Woods + Amador

billy Woods + Amador

Música & Festivais | Concerto

Galeria Zé dos Bois

Galeria

Classificação Etária

Maiores de 16 anos

Bilhete Pago

Todas as Idades

Promotor

Associação Zé dos Bois

Breve Introdução

Billy Woods
Em 2023 farão vinte anos do lançamento de “Camouflage”, o álbum de estreia de Billy Woods. O primeiro de muitos. Na altura, “Camouflage” reflectia um momento sem paralelo do hip hop independente. A ideia de “hip hop independente” fluía enquanto género – no fundo, “era uma cena” – e conquistava território num ritmo diário. Ainda sem streams, YouTube, mas com MP3 (e downloads ilegais) e CDRs, a mensagem espalhava-se e chegava a alguns canais importantes. Billy Woods, na altura já no activo há alguns anos, aproveitou o momento para fundar uma editora – Backwoodz Studioz – que ainda hoje se mantém como principal plataforma para os seus álbuns e não só. “Camouflage” seguia a lógica do presente: tiragem limitada, CDR. Uma lógica não só do hip hop mas aplicada a vários subgéneros da música popular. Era uma forma de sobrevivência, de comunicação e de encontrar um caminho numa indústria, num mundo, em flagrante mudança. O caminho foi assinalável e permitiu Billy Woods manter um conjunto de importantes fundamentos: a identidade, a editora e uma consistente discrição. Dá entrevistas, com um tom aberto sobre a música e o passado, mantém o seu nome verdadeiro fora do radar e não se deixa fotografar com clareza.
Tudo isto acontece sem a criação de mito, de segredo, apenas uma forma honesta e continuada de dizer que o que importa é a música. E é. Desde 2003 que a actividade tem sido regular. Habituais altos e baixos sem afetar a consistência identitária e um som – ainda – extremamente ligado ao imaginário do “hip hop independente” do início do século. Prova disso são os dois álbuns que editou em 2022, “Aethiopes”, fruto de uma colaboração estreita com o produtor Preservation, e “Church”. Há algo que os liga às raízes, pela genética, pela identidade. Ao longo das últimas duas décadas, o som de Billy Woods tem evoluído com uma progressiva atenção ao detalhe e em formas de o comunicar: seja através dos instrumentais, dos samples usados, ou pelas referências que pululam na sua música. Um processo de refinamento perceptível na audição e que tem mantido Billy Woods acima da relevância, ou seja, sem se estagnar na ideia da “referência” e criando música com vontade de existir no presente. Só poderia ser assim. AS


Amador
Muito se debate se a música vigente enquanto arma activista está ou não repleta de desbravamento de conteúdo politizado de outrora contra o sistema, por caucasianos sem sequer uma multa de estacionamento. Não é de todo o caso de Amador, cujo antifascismo, a precariedade capitalista ou o ódio de luta se fundem numa batalha própria de consciencialização por quem cresceu no circuito hardcore caldense. Criado a partir de sintetizadores modulares e samplers, a sua música tem o hip-hop industrial como linha condutora, mas desvia-se tanto por ritmos do Dub como do Breakbeat. Num caldeirão onde tanto cabe o pós-punk de uns Gray de Basquiat, a politização à lá Run the Jewels ou a fúria de uns Death Grips, se calhar nenhum destes nomes inspirou Amador, mas quem ama o que faz encontra-se inconscientemente em sonoridades comuns.

Abertura de Portas

21h30

Preços

  • Entrada – 13€

Sessão

02 fev 2023 22:00

Duração

180 minutos

Comprar Bilhete

, billy Woods + Amador

, SOFIA ESCOBAR e CARLOS CARDOSO com O.S.O.

SOFIA ESCOBAR e CARLOS CARDOSO com O.S.O.

, Green Friday da IKEA incentiva a vender em vez de comprar

Green Friday da IKEA incentiva a vender em vez de comprar