41.ª edição do Rali Dakar de 6 a 17 de janeiro no Eurosport

A 41.ª edição do Rali Dakar traz muitas novidades! Dez anos após a mudança de África para a América do Sul, a prova de todo-terreno mais dura do mundo realiza-se pela primeira vez num só país: o Perú.

- Publicidade -

São cerca de 5.000 quilómetros, divididos em 10 etapas, a maior parte (70 por cento) percorridos em percurso de areia e dunas. O Dakar 2019 vai contar com quase uma vintena de portugueses, entre os mais de 530 concorrentes, nos quais se incluem 17 mulheres, o maior contingente feminino em prova desde 2009. Paulo Gonçalves, Joaquim Rodrigues e Mário Patrão, em equipas oficiais na categoria de motos, são alguns dos pilotos portugueses a destacar nesta 41.ª edição.

O Eurosport emite um magazine diário de 30 minutos de duração com os melhores momentos do rali. O resumo da jornada vai para o ar todos os dias, por volta das 22:00. Acompanhe o Rali Dakar no Eurosport de 6 a 17 de janeiro. Os comentários ficam a cargo de João Carlos Costa.

João Carlos Costa, comentador de desportos motorizados do Eurosport: “2019 oferece um Dakar mais compacto – menos dias, menos quilómetros – sem que isso belisque o interesse desportivo. Apenas a paisagem será menos variada, muito embora o Peru tenha argumentos mais que suficientes para deixar todos colados ao ecrã, como se viu na edição anterior.

Na batalha pelas vitórias, nenhuma categoria tem um vencedor antecipado. Nos carros, a Peugeot não está representada oficialmente, mas há vários 3008 e 2008 DKR privados, com destaque para os de Sebastien Loeb e Harry Hunt. A Toyota acredita ser capaz de conquistar a primeira vitória na prova, sendo Nasser Al-Attiyah secundado por Giniel de Villiers e Bernhard Tem Brinke. A Mini “recolheu” os ex-Peugeot, Carlos Sainz, Stephane Peterhansel e Cyril Despres para guiar os Buggy estreados em 2018, enquanto Nani Roma e Orlando Terranova continuam com os Countryman 4×4. O vencedor sairá, quase de certeza, desta dezena de pilotos, ao quais se junta o americano Robby Gordon com um Buggy Trexton, pequeno no tamanho, enorme na ambição.

Nas motos, Paulo Gonçalves recupera da operação ao baço, sendo ainda assim uma das “fichas vencedoras” da Honda, que conta ainda com Joan Barreda e Ricky Brabec para tentar colocar um ponto final em quase duas décadas de vitórias consecutivas da KTM. A marca austríaca tem uma equipa também sem mexidas, com os três últimos vencedores (Matthias Walkner, Toby Price e Sam Sunderland) prontos a bisar, com a ajuda de um “aguadeiro” de luxo na pessoa de Mário Patrão. A Yamaha volta a tentar a vitória e Adrien Van Beveren, Franco Caimi e Xavier de Soultrait mostraram em 2018 que as dunas peruanas podem ser terreno favorável. Esquecer a Husqvarna de Pablo Quintanilla e as Hero de Oriol Mena e do nosso Joaquim Rodrigues jr. será um erro, sendo que as Sherco de Michael e Adrien Metge também são candidatas a entrar na luta.

Nos camiões, vamos ter mais um duelo Kamaz/Iveco, arbitrado pela MAZ, Liaz e Trata.”

- Publicidade -