in

TRÊS RAINHAS – O MUSICAL

, TRÊS RAINHAS – O MUSICAL

TRÊS RAINHAS – O MUSICAL

Teatro & Arte | Musical

C.C de Santa Comba Dão

Audit. da Casa CSCD

Classificação Etária

Maiores de 3 anos

Promotor

AMAD – Associação de Música e Artes do Dão

Breve Introdução

A AMAD – Associação de Música e Artes do Dão em parceria com o Conservatório de Música e Artes do Dão – CMAD desde 2009 tem um projeto comprovadamente inovador para o território: a criação de uma classe de teatro musical que, para além de permitir formar os seus jovens, criou públicos fiéis. A AMAD continua a acreditar neste projeto, ainda mais neste ano marcado pela pandemia COVID, torna-se importante mostrar os jovens talentos que temos estado a formar, sendo assim a AMAD assumiu mais um desafio: a montagem de um musical original “Três Rainhas”.
 
Uma ideia original de Rafael Barreto e escrito pela talentosa jovem escritora Ana Lázaro, que tem recebido vários prémio literários nomeadamente o Prémio Literário Internacional Sea of Words, pela Anna Lindh Foundation / IEMED, Barcelona, e o Prémio FNAC Novos Talentos da LITERATURA 2014, numa seleção do júri composto por Dóris Graça Dias, Carlos da Veiga Ferreira e Valter Hugo Mãe, composições musicais pelo virtuosismo Artur Guimarães, estas coreografadas pela talentosa Catarina Alves, e liderados na encenação pelo desafiante Rafael Barreto, este será um musical que marcará pela diferença ao qual o publico não sairá indiferente.

Sinopse

Esta é uma história que se passa numa terra imaginária, que se perde num universo mirabolante entre o realismo e a ficção. Neste lugar sem tempo, encontramos características da Era Victoriana (onde a moda e costumes refletem a visão da Mulher neste tempo – ostentando a sua vulnerabilidade, já que os trajes eram desenhados para acentuar o papel impotente, com recurso excessivo do espartilho que as debilitava, ou uso das crinolinas debaixo das saias, que lhes inibiam os movimentos livres), a par com particularidades da Era Contemporânea.  Nesta terra, três Rainhas, três Mulheres – irmãs nascidas no mesmo dia, herdaram o Trono há muito cobiçado pelos homens, numa irónica teimosia da Natureza, já que a contragosto destes, há várias gerações que as súbditas naturais são sempre mulheres geradas por mulheres. E ao contrário do que as más-línguas gostam de afiançar, as três irmãs gerem o Reino com serenidade, harmonia e conciliação ímpares. Mais uma vez, no momento em que a ação decorre, cada uma das três Rainhas, dá à luz uma menina, três meninas que governarão o Reino.

Ressabiados e enciumados os homens vão obedecendo às suas soberanas, sempre cobiçando o seu poder, e congeminando formas e artimanhas com que poderiam destronar as Rainhas.
Eis quando chega a Grande Festa do Reino – uma Cerimónia extravagante que terá lugar na Corte, onde será apresentada uma representação única e ímpar de um Espetáculo cómico e trágico ao jeito de Shakespeare. E onde de seguida as três pequenas princesas serão anunciadas ao Povo como suas futuras Soberanas.

Mas durante a noite do espetáculo, no meio de trajes, máscaras, artifícios e espadas, os homens da Corte prepararam uma cilada, para assassinar as Princesas que atuam em palco, e entre a ficção, tomarem o Trono!

Música

Artur Guimarães (Compositor e direção musical)
 
Nasceu no Porto, a 18 de março de 1978.
Licenciado pela ESMAE, estudou também na AMVP, Collective School of N.Y e NEW SCHOOL of N.Y.
Escreveu, orquestrou e dirigiu os musicais: Scents of Light, Feiticeiro de Oz, Aladino, Pinóquio, Cinderela 21, A Ilha do Tesouro, Fado – História de um povo (com Paulo Valentim e Carlos Meireles), From a Distance, Indira, Zorro, Quebra-Nozes no gelo, Draculea Experience, Branca de Neve no Gelo, A Volta ao Mundo em 60 minutos, GUI o musical, A Passagem, A Chave do Clube Secreto (com Diogo S. Silva), Cinderela no Gelo, Eusébio – um hino ao futebol (com Dino Rodrigues), A Bela e o Monstro no Gelo e Entre o Céu e a Terra (Musical de FÁTIMA), Terra dos Sonhos (com Matilde Trocado), Popota ( com Rita Spider e Sissi Martins) , Alice no Gelo, Suite 647, Zé Manel Taxista e Mikas.
Escreveu e orquestrou os bailados Ballet from Oz e Cinderella XXI.
Dirigiu os musicais Fame, Rent, J.C. Superstar, La cage aux folles, Wojtyla, Tomorow Morning, Godspell, Caderno de exercícios, Comédia Romântica, 50 Shades of Grey, Beauty Project e Avenue Q, Chicago , The Portuguese e Vou Levar-te Comigo.
Em co-produção com a DYGRAFILMS, escreveu a Banda Sonora do Filme El sueno de una noche de S. Juan tendo sido pianista da orquestra da Galiza, director musical do filme em Portugal e ganhou o premio Mestre Mateo 2005 como melhor banda sonora original.
Compôs, produziu e interpretou diversos spots, jingles, temas e canções originais para novelas, documentários, filmes de animação e curtas-metragens (RTP, SIC e TVI, CANAL PANDA; TV BEBE, DISNEY, Galas Dragões de Ouro FCP, REALIZAR (7 Maravilhas, COCAN, UEFA, YOG, RFM – All Stars 2012, TNSJ, (…).
Orquestrou e foi pianista na gravação de diversos cds da revista READER’s DIGEST, com produção de SONORA ESTUDIOS .
Foi pianista e maestro do talkshow da RTP – NICO Á NOITE, com Nicolau Breyner.
É Júri internacional do festival ART-PREMIUM FESTIVAL (St Petersburg &Tallinn ).

Cenografia

Carlos Neves
 
Frequentou o curso tecnológico de design da Escola Secundaria Camilo Castelo Branco. Licenciado em Design de Cenografia pela Escola Superior de Música, Artes e Espetáculo (2013), tendo sido distinguido com o Diploma de Mérito pelo desempenho excepcional em 2010/11 do Instituto Politécnico do Porto.
Em 2013 foi bolseiro do Núcleo de Investigação Científica e Desenvolvimento no âmbito do projeto de I&D intitulado “Design e Sustentabilidade – A exploração das características dos materiais no desenvolvimento de imagética visual do espetáculo”. Ainda no seguimento deste projeto de investigação, colaborou com Hélder Maia na exposição intitulada de “Os Três Cosmonautas”, que integrou o programa do festival SET em 2013.
Em 2014 integrou o I.P. Meeting Place – Music, Theatre and Landscape na SADA, Stockholm School of Dramatic Arts.
Participou no festival HARMUS Plural em 2013 com a instalação “Sinestesia” e em 2014 com “The Banana Tree Movement”.
Na área da cenografia trabalhou com, Sara Erlingsdotter na Ópera-Happening, “The Fairy Queen em Tibães”, com Ana Luena em “A Metamorfose”, com Nuno M Cardoso em “Morire di Classe”, Howard Gayton em “Commedia dell’Arte Achados e Perdidos”, António Durães em “A Opera dos Três Vinténs”, Joana Quelhas em “A Volta ao Mundo em 60 Minutos” e “Aladino”, João Guimarães em “A Chave do Clube Secreto” e “Cinderela no Gelo”.
Foi assistente de cenografia de Hélder Maia na Opera “Diálogos do Medo”, encenada por João Enriques, com Ricardo Preto na opera “A Hora Espanhola” encenada por António Durães e com Hugo Ribeiro no espetáculo “KA” dirigido por Rodrigo Malvar.
Colabora como cenógrafo com a Confederação-Núcleo de Investigação Teatral e participou na edição do FITEI 2015 como cenógrafo de “Dois” encenado por Susana Oliveira.
Atualmente, é professora do Departamento de Teatro da Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo.

Figurinos

Filipa Carolina Martins
 
Filipa Carolina Martins nasceu em Coimbra em 1987. Em 2009 termina a Licenciatura em Teatro – Variante Produção e Design – Ramo Figurinos, na Escola de Música e Artes do Espetáculo, onde trabalha com alguns profissionais de teatro e encenadores como Paulo Lages, Rogério de Carvalho e Fernando Mora Ramos. Em 2014 concluí o seu trabalho final de Mestrado em Teatro – Área de Especialização em Design de Figurino, onde explora as potencialidades do traje de época na transposição para a contemporaneidade, através do design de figurinos para as óperas L’Heure Espagnole e O Auto da Índia, encenadas por António Durães.
Nos anos mais recentes, tem desenvolvido figurinos para espectáculos das companhias Fértil Cultural e Seiva Trupe.
Paralelamente à sua atividade enquanto figurinista e designer é, desde 2011, formadora de História da Moda.
Atualmente, é professora do Departamento de Teatro da Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo.

Produção

Cooprodução da AMAD – Associação de Música e Artes do Dão e o Conservatório de Música e Artes do Dão

Encenador

Rafael Barreto (Ideia original e encenador)
 
Nascido a 27 de setembro de 1993, em Lisboa, iniciou-se na dança aos 8 anos no Centro de Artes e Formação, na Junta de Freguesia do Lumiar.
Em 2008 começa a dar aulas de dança, hip-hop, no C.A.F., Lumiar. Nesse mesmo ano inicia os seus estudos em Teatro, na Escola Secundária de Gil Vicente, na Graça, concluindo em 2011 o Curso Profissional de Artes do Espetáculo -Interpretação.
Em 2010 participa no espetáculo do Teatroesfera, O Sonho de uma Noite de Verão, de William Shakespeare, com encenação de Paula Sousa.
Em 2011, como estagiário do Teatroesfera, integra a peça infantil O Homem que Calculava, nas bibliotecas do município de Sintra e faz assistência de encenação na peça A Festa, de Spiro Scimone, com encenação de Ricardo Neves-Neves.
Profissionalmente integra o elenco da peça infantil Fantoches Gigantes, de Ricardo Neves-Neves, com encenação de Paula Sousa. Os últimos, ambos coproduções do Teatroesfera e Teatro Do Elétrico.
Em 2012 participa em pequenas animações para a infância com o Teatro do Biombo. Com o Teatro do Eléctrico integra o elenco de O Solene Resgate, de Ricardo Neves-Neves, no Festival CURTAS nos Primeiros Sintomas. Com a plataforma artística dOBRAR, integra o elenco de ORU – Teatro para a Infância, com a direção artística de Ana Lázaro.
Durante o ano de 2012 frequentou o 1º ano da Licenciatura em Teatro, na Escola Superior de Teatro e Cinema  Ramo Atores, na Amadora.
Desde 2013 frequenta aulas na academia de dança Quorum Academy, sob a direção de Daniel Cardoso, trabalhando com bailarinos/ coreógrafos como Jácome Filipe, Filipe Narciso, Catarina Courinha e Rita Spider.
Em 2014 integra o coro da peça Menos Emergências, de Martin Crimp, com encenação de Ricardo Neves-Neves, uma produção do Teatro do Elétrico.
Em 2015 ainda Quorum Academy passa a integrar o elenco do Projecto Quorum, um projeto que funciona como uma jovem companhia de dança, com o apoio da Companhia de Dança Quorum Ballet. Tendo assim trabalho com vários professores e coreógrafos, como Caia Sampaio, São Castro, Daniel Cardoso, Inês Godinho, Patrícia Henriques, Élson Ferreira e Margarida Belo Costa. No mesmo ano foi premiado com a bolsa de mérito atribuída pela academia. Com os Artistas Unidos faz Direção de cena e integra o elenco da peça Gata em Telhado de Zinco Quente, que esteve em digressão pelo país de setembro de 2014 a fevereiro de 2015.
Em 2016, estreou-se na 3ª edição do Festival Sinopse, em Leiria, com o espetáculo Agora também sou água, com texto e encenação de Ana Lázaro, premiado com o apoio da fundação GDA para circulação de espetáculos, mantendo-se em digressão. Passou já por vários locais, entre eles Carviçais, Pampilhosa da Serra, Sesimbra e Cartaxo.
Em 2017 funda a companhia de espetáculos Lugar Comum, cuja fundação está integrada no projecto da Câmara Municipal de Lisboa, BIP/ZIP – Praceta DSôdade de 2016. Com a companhia encena e integra o elenco de Um dia serei Livre, no auditório da biblioteca municipal orlando ribeiro, apresentando também em Leiria no MIMO- Museu de imagem em movimento, no âmbito do festival Sinopse, tal como, o espectáculo Praceta di Sodadi espectáculo que foi resultado do trabalho desenvolvido com a oficina artística do BIP/ZIP – Praceta DSôdade. No mesmo ano ganha com a companhia mais um projecto BIP/ZIP, o BIP/ZIP – Nôs Retrato.
Em dezembro participa no musical Popota – a Rainha da Pop, uma produção UAU.
Em 2018 integra de setembro a março de 2019 o elenco do espectáculo musical Zé Manel Taxista, trabalhando com nomes como Maria Rueff, Artur Guimarães, António Pires, Paula Careto.

Autor

Ana do Vale Lázaro (texto)
 
Ana do Vale Lázaro (Lisboa, 1982) é uma escritora, dramaturga e encenadora e atriz portuguesa.
Licenciada pela Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa, trabalhou como atriz em Artistas Unidos, Te-ato – Leiria, Teatro do Biombo, Teatro do Eléctrico, Teatro Nacional D. Maria II, Teatro Tivoli, Teatro da Comuna, Teatro Villaret e Teatro do Campo Alegre , tendo participado também nos programas/séries televisivos 5 Para a Meia-Noite (RTP2) e Liberdade 21 (RTP1).
Foi cofundadora em 2011 do núcleo artístico Dobrar com Hugo C. Franco.
 
Obras
• “Coração de Palmo e Meio”
• “Pescadores de nuvens”
• “O Estranho Apetite de Belemundo”
• “A Dança das Raias Voadoras / Requests ou Permissão Para Respirar” (teatro)
 
Prémios
Teatro
• Bolsa de Apoio a Novos Encenadores da Fundação Calouste Gulbenkian com a Peça “Por um Dia Claro”
• Bolsa Gruntdvig da Comissão Europeia
Literatura
• 2013 – Prémio Literário Internacional Sea of Words da Fundação Anna Lindh
• 2014 – Prémio Novo Talento FNAC Literatura com Coração de Palmo e Meio
• 2017 – Prémio Literário Maria Rosa Colaço com Pescadores de nuvens

Informações Adicionais

Catarina Alves (Coreografia)
Estudou Jazz, Sapateado, Contemporâneo e Clássico em Londres na Intoto Dance Company e a BA Hons in Theatre Dance – Contemporary Dance London Studio Centre, em Portugal na Academia de Dança do Vale do Sousa.
Como intérprete tem uma vasta carreira em musicais estando atualmente a participar em “Uma Nêspera No Cú: O Musical”, tendo passando por “Terra dos Sonhos – o musical”, Popota, Rainha da Pop”, “Bela e o Monstro no Gelo”, “A Branca de Neve no Gelo” trabalhando com encenadores e atores como Bruno Nogueira, Filipe Melo, Sissi Martins, João Guimarães, Joana Quelhas entre outros.
Tem também experiência a nível internacional participando em vários musicais como por exemplo no “Synchronised” Balbir Singh Dance Company, London; “La Sinfonie Fantastica” Compagnia de Danza Francesca Selva em Itália; “Apprenticeship” com Compagnia de Danza Francesca Selva em Itália; “Intoto UK Dance Tour” e “Design for Dance”em Londres.
 
João A. Guimarães (Direção vocal)
Licenciado em Teatro Musical pela Italia Conti Academy of Theatre Arts –Londres reconhecimento licenciatura pela ESMAE), integrou os elencos de“Lion King”, “Scents of Light”, “Fame”,“Pinóquio”, “Midsummer Night’s Dream”, “Lazy Town”, “Cinderela XXI”,“A Chave Invisível”, “Zorro”, “O Despertar da Primavera”, “A Maldição de Salieri”, “Jesus Cristo Superstar”, “A Passagem”, “O Mistério do Fondant”, “A Branca de Neve no Gelo”, “Spongebob’s I Heart Dancing”, “Entre o Céu e a Terra – O Musical sobre Fátima”, “A Cinderela no Gelo”, “A Ilha do Tesouro”, “A Bela e o Monstro no Gelo”, “Lusitânia Comedy Club: O Porquê da Coisa”, “Grease”, “Madagáscar”, “O Feiticeiro de Oz no Gelo” e “O que queres ser quando fores grande?”. Encenou vários espetáculos, entre eles: “O Feiticeiro de Oz no Gelo”, “Alice e o País das Maravilhas no Gelo”, “José e o Deslumbrante Manto de Mil Cores”, “A Bela e o Monstro no Gelo”, “A Cinderela no Gelo”, “A Chave do Clube Secreto”, “A Branca de Neve no Gelo”, “O Quebra Nozes no Gelo”, “A Maldição de Salieri”, “O Mistério do Fondant” e “Indira”. Foi diretor vocal nos projetos “Raul – Uma homenagem a Solnado” da UAU, “Broadway Kids” e “Entre o Céu e a Terra” da Elenco Produções, “Grease” e “Madagáscar” da Yellow Star Company e “O Despertar da Primavera”. Em cinema co-protagonizou “Pecado Fatal” de Luís Diogo e participou em “Posfácio nas Confeções Canhão” (Guimarães 2012 CEC). Em TV participou nos filmes “A Herdade” da Leopardo Filmes e “Mata Hari” da Star Media”. Integrou os anúncios “Aquela casa Especial” da Imovirtual e “Prazos à perna, já eram!” da NetInvoice e protagonizou o anúncio “Quatro Estações”, da Telepizza. Foi diretor de conteúdos artísticos da plataforma digital “Magia no Gelo”.
Em termos de trabalho institucional, foi ator principal nos vídeos de empresas de renome como a Galp e o BPI. Colabora com os estúdios Somnorte, Multi-Loc e Matinha/SDI como dobrador, tradutor e diretor musical. É letrista e faz tradução e adaptação de musicais. É maestro do Coro Go Gospel, um projeto inovador da Hymnus, empresa com a qual colabora desde a sua fundação. É professor de Teatro Musical e Coordenador de Curso na Academia de Música de Vilar do Paraíso. É professor de voz na classe de Teatro Musical do Conservatório de Música e Artes do Dão. Tem o Curso Complementar de Flauta Transversal e é licenciado em Psicologia pela Universidade do Porto. É diretor artístico da AM LIVE, produtora de espetáculos.
 
Luís Neiva (Direção Orquestra)
Luís Neiva, também conhecido como Tom, nasceu em Barcelos a 1 de setembro de 1984.
Iniciou os estudos musicais na Escola Profissional de Música de Viana do Castelo na classe de violino. Em 2002 conclui o Curso de Instrumento na classe de Percussão nessa mesma escola e ingressa na Escola Superior de Música e das Artes do Espetáculo do Porto.
Muda-se para Lisboa em 2005 e anos mais tarde licencia-se em Percussão na Escola Superior de Música de Lisboa.
Durante o seu percurso de formação estudou também percussão étnica e bateria.
Foi professor de percussão na Escola Profissional de Música da Beira Interior, no Conservatório de Música Jaime Chavinha em Minde e foi, também, professor de percussão e bateria na Academia de Música de Almada.
Num percurso bastante eclético como músico de sessão, teve o prazer de colaborar com: Orquestra Sinfónica Portuguesa; Orquestra Metropolitana de Lisboa; Orquestra do Algarve; Quarteto Vintage; Filipe La Feria; Voodoo Marmalade; D.A.M.A.; Crossroads; entre muitos outros.
Nos últimos anos tem estado muito ligado ao Teatro Musical e são de destacar espetáculos como: “Godspell”; “As Cinquenta Sombras”; “Eusébio, o Musical”; “Entre o Céu e a Terra”; “Terra dos Sonhos”; “Avenida Q”; “The Portuguese – A Musical Comedy”, Chicago, entre outros.

Preços

PREÇO GERAL 12,00€

Próxima Sessão

08 jul 2022 21:30

Comprar Bilhete

, TRÊS RAINHAS – O MUSICAL

, WRC Generations | Announcement Trailer

WRC Generations | Announcement Trailer

, A VERDADE TEM TRÊS BOCAS

A VERDADE TEM TRÊS BOCAS