The Legendary Tigerman e Linda Martini no Coliseu de Lisboa – Uma ode ao amor e ao rock português

A tour Rumble in The Jungle terminou em Lisboa

Foi num placo 360º, no mítico Coliseu de Lisboa que The Legendary Tigerman e Linda Martini terminaram de forma apoteótica a tour Rumble in The Jungle. Nesta derradeira actuação, ouviram-se temas de cada um dos projetos a serem interpretados em conjunto com elementos da outra banda.

- Publicidade -

Foi por volta das 22:30 que Paulo Furtado, o icónico Legendary Tigerman, entra em palco acompanhado por João Cabrita, Pisco e Paulo Segadães, no saxofone, baixo e bateria respectivamente. “Wild Beast”, do álbum True, foi a música escolhida para abrir este duelo de ícones do rock português. A tensão foi se acumulando com “Storm Over Paradise”.

The Legendary Tigerman e Linda Martini no Coliseu de Lisboa - Uma ode ao amor e ao rock português 1 As colaborações começaram logo na terceira música, com Cláudia Guerreiro a acompanhar a banda em “The Saddest Girl On Earth”. Seguiu-se Hélio Morais em “These Boots Are Made For Walking” e André Henriques e Pedro Geraldes em “Black Hole”. Mas foi em “Fix of Rock’n’Roll” que, pela primeira vez, as bandas estiveram juntas em palco nessa noite. “21st Century Rock’n’Roll” foi o culminar de mais de uma hora electrizante, com o “lendário Homem-Tigre” a deixar tudo em palco, lançando-se várias vezes do cimo da bateria do Paulo.

Rumble in the Jungle

Já com os Linda Martini em palco, o grupo de André Henriques, Hélio Morais, Pedro Geraldes e Cláudia Guerreiro, abriram a segunda parte desta batalha com “Panteão”, do álbum Sirumba.

Tal como na primeira parte desta batalha as colaborações foram um ponto presente com João Cabrita a juntar-se em “Boca de Sal” e Paulo Furtado na guitarra em “Dez Tostões”. André Henriques chamou ao palco Paulo Segadães, ex-guitarrista dos X-Acto, banda da qual o André já demonstrou profunda admiração, para tocar à guitarra o tema “Sirumba”.

Rumble in the Jungle Rumble in the Jungle

“Belarmino” no Rumble in The Jungle poderia levar nos a crer que estávamos num ambiente de luta, mas a Cláudia logo salientou que nesta tour não houve combates, só houve amor. A violência que se assistiu foi das guitarras afiadas, baterias poderosas e gritos de puro rock. Em “Cem Metros Sereia”, esses gritos estiveram presentes, onde as duas bandas voltaram a juntar-se em palco para em

 

uníssono com o publico, cantar as letras deste já clássico dos Linda Martini. Foram as palavras de Hélio “há dias felizes e este é um deles” e a música “Gravidade”, ainda com as duas bandas em palco, que terminaram esta batalha de gigantes no Coliseu. De estranhar foi a ausência dos habituais mosh provavelmente devido à disposição do recinto.

Rumble in the Jungle

Foi com amor que terminou a última batalha desta tour, que levou aos quatro cantos do país o melhor do rock que se faz em Portugal!

Texto: André Rocha / Fotografia: Tiago Pereira

[fshow photosetid=72157663898473128]

- Publicidade -