CA Notícias
Canal Alternativo de Notícias, as últimas notícias do mundo do desporto, da tecnologia e do entretenimento.

SAD do Belenenses com dívida de 7,4 milhões‏

O Jornal Económico adiantou ontem que a SAD do Belenenses apresenta, nesta altura, uma dívida de 7,4 milhões de euros sendo que um terço da mesma será ao Estado (2,4 milhões) e ainda à Codecity, presidida pelo responsável maximo da SAD Azul, no valor de 2,2 milhões.

No total, a sociedade anónima desportiva do Belenenses tem em dívida aos credores no valor de 7,46 milhões de euros pertencendo ao Estado uma “fatia” de 32%, segundo a lista revelada pelo Tribunal da Comarca de Lisboa no âmbito do processo especial de revitalização (PER) que foi iniciado em Agosto de 2014. A 7 de janeiro, a Autoridade Tributária e Aduaneira era credora de 1,68 milhões de euros relativos a dívidas fiscais do Belenenses, a que se somam 732 mil euros de dívida ao Instituto da Segurança Social. Mas as dívidas ao Estado não ficam pelas Finanças e Segurança Social, os compromissos do clube lisboeta com o Estado incluem ainda outros credores, embora para montantes bem menores: a SAD do Belenenses tem em dívida, segundo a lista publicada pelo tribunal, um montante de 1.265 euros para o Centro Hospitalar Lisboa Central, 143 euros para o Centro Hospitalar Lisboa Ocidental e ainda 2.734 euros de dívida ao Ministério da Defesa (Marinha).

Com 2,4 milhões de euros de créditos sobre o Belenenses, o Estado português é um dos maiores interessados em que o PER em curso seja bem sucedido. O segundo maior credor é a Codecity, empresa liderada pelo presidente da SAD do clube, Rui Pedro Soares, com créditos de 2,2 milhões de euros.

Nesta extensa lista figuram também não só jogadores de futebol e elementos da equipa técnica mas também os mais diversos fornecedores de bens e serviços, desde empresas de sistemas de rega até farmácias, clínicas, hotéis e empresas de equipamento desportivo.

O atual treinador da equipa principal de futebol do Belenenses, Lito Vidigal, é um dos maiores credores individuais da SAD. Segundo a lista revelada pela Justiça, José Carlos Fernandes Vidigal tem a receber mais de 150 mil euros, ou seja, 2% de toda a dívida reconhecida neste PER.

As dívidas do Belenenses incluem, por exemplo, quase 185 mil euros à empresa Prosegur. Entre os clubes de futebol credores do emblema de Lisboa estão o Casa Pia Atlético Clube (cerca de 6 mil euros), o Futebol Clube de Alverca (3.550 euros), o Grupo Desportivo dos Pescadores da Costa de Caparica (7.500 euros) e o Marítimo (quase 100 mil euros).

Do leque de empresas de equipamentos desportivos que têm créditos sobre o Belenenses fazem parte a Patrick (mais de 88 mil euros) e a Lacatoni (41 mil euros).

A lista de credores inclui ainda empresas como a Barraqueiro, Vila Galé, José de Mello Saúde (através das clínicas e hospitais CUF), Hospital da Luz, NOS, PT Comunicações, entre outras.

O processo de recuperação está em curso desde agosto

Em Abril do ano passado, o Belenenses avaliou positivamente o impacto da adesão do clube a um PER em Junho de 2013 o que veio diminuir o passivo exigível ao clube de 13 para 8,7 milhões de euros. O plano então delineado permitiria ao clube assumir um encargo mensal de 45 mil euros com as dívidas no primeiro ano do PER, valor que iria diminuir gradualmente até 2022.

Em maio de 2014, o presidente da SAD do Belenenses, Rui Pedro Soares, sublinhava à agência Lusa que o clube tinha conseguido reduzir em 400 mil euros as suas dívidas ao Fisco, ao longo dos dez meses anteriores: “Não me lembro de um clube de futebol, em Portugal, ter abatido num ano 19% da dívida ao Fisco”, comentava então Rui Pedro Soares.

Mas a 8 de Agosto de 2014 foi a vez de a própria SAD requerer um PER: “Não obstante o facto de, nos últimos dois anos, a saúde financeira e económica da sociedade ter melhorado significativamente, o Conselho de Administração entendeu que este era o momento adequado para requerer o PER, tendo em vista a conveniência da reestruturação da sociedade em face do seu passivo exigível e de curto prazo”, lê-se no comunicado então enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

No final de dezembro passado, o presidente do clube, Patrick Morais de Carvalho, mostrou-se convencido de que 2015 será um ano de recuperação: “Esperamos que 2015 seja um ano marcado pela recuperação financeira, fundamental para a sustentabilidade do Belenenses. A par da auditoria externa que será feita às contas e à gestão do clube, que anunciámos na última Assembleia Geral, prosseguiremos um caminho de rigor, nomeadamente com as Finanças e com a Segurança Social, que será essencial para que o projeto desportivo que nos propusemos levar a cabo, seja uma realidade a breve trecho”, notou o dirigente na sua mensagem de Ano Novo aos sócios do Belenenses.

[td_block10 tag_slug=”PER,” limit=”5″ header_color=”#dd3333″ custom_title=”Relacionadas” title_style=”td_title_style_1″]

X