Futebol Feminino: Entrevista a Joana Vieira

Joana Vieira, 24 anos, praticou rugby antes de chegar ao futebol. Capitã da equipa de futebol feminino do Belenenses, atravessa um óptimo momento de forma, mostra-se confiante e é a melhor marcadora do nosso onze.

O que significa o futebol feminino para ti? Jogas futebol desde muito nova?
Jogo futebol há pouco tempo, apenas desde Agosto de 2013. Joguei rugby entre 2007 e 2013, naquilo que foi a minha “carreira” desportiva mais a sério. Deste modo, sou apenas uma jogadora nova na modalidade que, pela paixão que tenho por futebol, vim tentar a minha sorte e jogar aquele que é o meu desporto de eleição! Por isso, para ser honesta, o futebol feminino não tem um significado para mim como tem para jogadoras que estão na modalidade há muito tempo e que têm outro estatuto, mas claro que, com o passar do tempo, vou-me sentindo cada vez mais parte deste mundo e vai assim começando a ganhar importância.

Foi uma caminhada difícil? As pessoas ainda associam um pouco o futebol a um reduto masculino…
Visto que jogo futebol apenas há 1 ano e poucos meses, não posso falar em caminhada. Ainda estou muito no início. Se me fizerem esta pergunta daqui a uns anos, espero poder ter uma longa resposta e, de preferência, cheia de sucessos!! Quanto ao resto, venho de uma modalidade que é vista como tudo, menos como feminina….por isso é um tema que não me preocupa! No rugby, ainda posso perceber, pois é uma modalidade mais “violenta” e com bastante contacto. No caso do futebol, não percebo, mas fica ao critério de cada um.

Qual a opinião sobre o estado do futebol feminino em Portugal? Tens ideias para o fomento da modalidade?
Não me querendo estar sempre a repetir, visto que jogo há pouco tempo, não tenho ainda uma opinião, mas venho de uma modalidade que em nada se compara ao futebol. Quer a nível de número de jogadoras, número de equipas, orçamentos, a competitividade dos campeonatos…. Pode parecer estranho para quem está no futebol feminino há vários anos, mas, para mim, é um “luxo”. Agora, em todas as modalidades, para se evoluir, é preciso investir. Se calhar com mais investimento, o futebol feminino estaria ainda melhor, mas isso são temas para quem o gere. Por enquanto, sou só jogadora.

Qual a sensação de representar um grande clube como o Belenenses? A responsabilidade é maior?
Sem dúvida que jogar no Belenenses é um prestígio! É um clube histórico da minha cidade, quase centenário, com triunfos em várias modalidades… Quando me perguntam onde jogo e respondo “No Belenenses”, as pessoas não ficam indiferentes. Não acho que seja uma responsabilidade maior, acho é que é uma motivação maior! Poder alcançar qualquer coisa e ficar na história do Belenenses é uma motivação extra!

És capitã de equipa e a melhor marcadora, atravessas um grande momento de forma, estás optimista para o resto da temporada?
É verdade, tenho conseguido marcar golos, o que nas minhas posições (extremo e ponta de lança) acaba por ser fundamental para a motivação e confiança, daí estar a atravessar um bom momento, apesar de nem sempre as coisas saírem como gostaria. Felizmente tenho uma equipa por trás que não me deixa baixar a cabeça em momento algum. Quanto ao resto da temporada, a equipa atravessou uma fase menos boa, o que nos levou a uma derrota contra um dos candidatos ao 1o lugar da série, num jogo bastante importante, mas penso que estamos a voltar ao que realmente somos e por isso estou confiante. Não dependemos de nós para acabar em 1o lugar, mas ganhar os jogos todos até ao fim, mesmo que isso signifique o 2o lugar, isso sim, depende só de nós.

Queres deixar uma última palavra aos adeptos do Belenenses?
Aos que já nos conhecem e acompanham, posso dizer que até ao final da época podem contar com o nosso maior empenho e paixão para levar o Belenenses o mais longe possível na Taça de Portugal e ganhar o resto dos jogos do campeonato. Aos que não nos acompanham, que passem a acompanhar, nem que seja de vez em quando. Tenho a certeza que vão admirar a maneira como tentamos fazer desta equipa um motivo de orgulho para o Clube!

Fonte: Os Belenenses