CA Notícias, as últimas notícias do mundo do desporto, da tecnologia e do entretenimento. Os últimos resultados, lançamentos, estreias.

“A espantosa variedade do Mundo”, exposição inaugura a 17 de fevereiro no Padrão dos Descobrimentos

Inaugura a 17 de Fevereiro, sábado, às 17h00, a nova exposição do Padrão dos Descobrimentos A espantosa variedade do Mundo, uma exposição sobre seres extraordinários e criaturas maravilhosas, com curadoria de Palmira Fontes da Costa e Adelino Cardoso.


A espantosa variedade do Mundo propõe uma reflexão científica, sobre o insólito – associado ao desconhecido, à diferença e à raridade -, sobre seres extraordinários de hoje e de outros tempos, através de objetos, desenhos fantasiosos ou representações a partir do real.

O mundo, natural e social, é fonte permanente de espanto, seja pela regularidade da sua ordem, seja pela surpresa da diferença. O espanto e a raridade, assim como o desconhecido, convocam a imaginação e alargam o mundo para além do real.

Enquanto figura de alteridade, a figura que reflete o outro, aquele que desconhecemos e que imaginamos, o “monstro” surge com particular destaque na literatura de viagens. São “monstros” as Sereias d’ A Odisseia de Homero, mas são-no também os povos de estranhos costumes nas terras longínquas visitadas, a Oriente, por Marco Polo,  e é o Mostrengo quem guarda o mar a navegar. A orla do mundo, a orla marítima, a margem que separa a terra firme do desconhecido, é habitada por criaturas extraordinárias.

Se o desconhecido convoca monstros e seres maravilhosos, o conhecimento e a ciência, olham-os com curiosidade e questionamento. A diferença surge de uma anomalia ou de uma riqueza multifacetada? A partir do séc XIX os prodígios de outrora desmistificam-se dando espaço a outros, sejam eles manipulados em laboratório, sejam aqueles que continuam a habitar as margens do desconhecido, as margens da técnica e do engenho humano.

Exposição comissariada por Palmira Fontes da Costa (CIUHCT/Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa) e Adelino Cardoso(CHAM/ Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa).
Colaboração Fundação Champalimaud.


Deixar uma resposta

X