Belenenses já exerceu o seu direito de voto

Em actualização

Segundo avança o jornal Record no seu site oficial até às 17:00 o Belenenses ainda não se fazia representar na sede da Liga de Clubes para afim de participar no acto eleitoral agendado para hoje.

O Belenenses já exerceu o seu direito de voto, tendo sido o sexto clube a fazê-lo.


19h51: Já Paulo Menezes, presidente do Paços de Ferreira, garantiu que votou, embora sem especificar qual a decisão que tomou, e seguiu a linha de discurso de José Eduardo Simões: “Foi um processo eleitoral que envergonha todos os clubes. A partir do momento em que os clubes não se sabem organizar, o resultado é este. Se isto acontecesse numa candidatura minha, não havia legitimidade para exercer o cargo”, sublinhou.

19h42: José Eduardo Simões, presidente da Académica, falou à saída da sede da LPFP, no Porto, e deixou duras críticas à forma como as eleições decorreram: “Este ato eleitoral envergonha o futebol português. Foi entregue um requerimento para condenar as ilegalidades obvias deste ato eleitoral que foi rejeitado pelo presidente da mesa da AG”, afirmou.

Maioria eleitoral dos clubes da Liga subscreve declaração conjunta declarando-se contra a eleição de Mário Figueiredo para presidente da Liga. A declaração é entregue ao presidente da mesa da Assembleia Geral.

Vários clubes requerem minutas das atas, o que servirá para intentar recurso para o Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol. As minutas das atas têm importância suplementar visto que os recursos ao Conselho de justiça devem ser feitos no prazo de cinco dias, sendo que os estatutos da Liga prevêem a entrava da ata no prazo de 10 dias conforme artigo 56 do Regulamento Geral.

19h10: Tiago Ribeiro, presidente do Estoril, confidencia que as eleições terminaram. Os poucos votos vão agora a começar a ser contados.

O Nacional da Madeira apresentou um protesto, reclamando que as listas concorrentes não tinham de preencher todos os órgãos, tal como aconteceu em relação a Hermínio Loureiro, em 2006.

Gil Vicente, Benfica, Marítimo, Chaves e Moreirense não marcaram presença na AG eleitoral.

19h00 – Álvaro Braga Júnior (Boavista) acaba de abandonar a sede da Liga.

18h50 – O Paços de Ferreira exerce o direito de voto. É o sétimo clube que o faz.

O União da Madeira apresenta protesto sobre irregularidades na lista de Mário Figueiredo, depois dos protestos de Filipe Silva (faltam datas, certificações de assinaturas, etc). O presidente da Mesa evidencia sinais de descontrolo emocional. O ambiente está escaldante.
18h45: O Belenenses também exerceu o direito de voto e é o sexto clube que o faz.

18h30: Até agora votaram os clubes subscritores da lista de Mário Figueiredo (Leixões, Santa Clara, Atlético e Farense) mais o Sporting

18h15: Pedro Pereira, da SAD Sp. Braga, abandona a Liga sem prestar declarações.

18h10: Silva Carvalho, presidente da SAD do Leixões, abandona as instalações da Liga e confirma que a votação está a decorrer.  “Está a haver votação. A lista D é a única em sufrágio. Já votei e estou de saída, mas nao quero tecer mais comentários”, afirmou.

18h09: Farense acaba de votar.

18h07: Apesar da desmobilização do aparato policial há dois agentes graduados que permanecem no edifício, concretamente na área vedada ao publico e de acesso exclusivo à direcção/funcionários da Liga.

18h05: Atlético e Santa Clara também já votaram.

18h05: Presidente da Assembleia reinicia a reunião sem cumprir, segundo protestam os clubes, os normativos legais. Sporting, Leixões e Boavista estão a votar.

Nacional da Madeira entrega requerimento à mesa lembrando que as decisões das assembleias gerais, salvo exceções, têm de ser todas por maioria absoluta de votos.

17h50 – Reforço policial à porta da Liga. Para além dos cinco polícias que se deslocaram para a zona de acesso à garagem do edifício estão mais três elementos na entrada principal do prédio. No interior estão dois agentes graduados ao que tudo indica a coordenar a operação.

17h45 – Polícias dirigem-se para a zona de acesso à garagem.

17h40 – Presidentes regressam ao anfiteatro da Liga de Clubes.

17h35: Cinco agentes da PSP entram nas instalações da Liga. A polícia tinha vários elementos nas imediações do edifício desde o início da tarde, mas sempre sem entrar no perímetro da infraestrutura. Dois polícías estão agora à porta do prédio. Outros dois nas escadas de acesso às zonas de convívio do 1. º andar, onde se encontram os presidentes, e o outro dá a volta ao edifício.

17h39: Dirigentes permanecem nas zonas de convívio da Liga.

17h15: Presidentes abandonam anfiteatro em clima aparentemente sereno, ficando à conversa nas zonas de convívio.

Carlos Deus Pereira proibiu a entrada de mais propostas à mesa, violando, conforme reclamaram muitos clubes presentes, o artigo 56 do regulamento.

proíbe a entrada de mais propostas à mesa, violando, conforme reclamaram muitos clubes presentes, o artigo 56 do regulamento.

A Assembleia geral foi suspensa A proposta apresentada pelo V. Guimarães, tentando anular o acto eleitoral, iria causar prejuízos elevados à Liga fruto de cada um dos candidatos, por junto ou per si, pedirem indemnizações compensatórias fruto da expectativa jurídica criada.

17H05: Patrícia Silva Lopes, advogada do Sporting, chega à Liga de Clubes, seguida do representante do Atlético

17 horas: Pedro Pereira, diretor geral da SAD do Sp. Braga, chega à Liga de Clubes.

Estão 23 clubes representados na AG: Benfica, Sporting, Gil Vicente, Marítimo, Sp. Braga, Paços de Ferreira, Belenenses, Portimonense, Moreirense e Atlético são os clubes para já ausentes.

16H40: Isidoro Sousa (Olhanense) chega à Liga

16H36: Álvaro Braga Júnior, presidente da SAD do Boavista, chega à Liga de Clubes.

16H15: Corpo de segurança privada composto por um punhado de elementos entra no anfiteatro onde há pouco se deu início a AG

16H10: Começou a assembleia geral

À parte da reunião que decorreu no Hotel do Bessa, a Comissão dos clubes da Segunda Liga também se reuniu e também deliberou impugnar o ato eleitoral em virtude de alegados problemas na candidatura de Mário Figueiredo. Foram 12 os clubes que participaram na reunião: Oliverense, Feirense, Tondela, Trofense, Beira-Mar, U. Madeira, Aves, Portimonense e Viseu estiveram representados pelos respectivos presidentes; Covilhã, Chaves e Moreirense fizeram-se representar por outros elementos.

16 horas:

Chega José Mendes, presidente do Sp. Covilhã, que ficou visivelmente incomodado com a presença de segurança privada e desabafou em alto e em bom som: “O que é isto?! Se for preciso dar um murro nos cornos a alguém não há problema nenhum”.

15H58: Chega Fernando Oliveira, presidente do V. Setúbal.

15H55: Chega Antero Henrique, diretor geral da SAD do FC Porto.

Nas imediações da Liga, tal como sucedeu ontem quando Mário Figueiredo deu a conferência de imprensa, encontram-se vários agentes da PSP. No interior há pelo menos meia dúzia de seguranças privados (vestidos à civil) de elevada compleição física, mas que não estão identificados a nenhuma empresa privada ou clube.

15H55: A Lusa avança que são sete os clubes da vão requerer a anulação das eleições da Liga: Académica FC Porto, V. Guimarães, o V. Setúbal, o Rio Ave, o Estoril e Arouca.

15H50: Júlio Mendes, Tiago Ribeiro, Carlos Pinho e António Silva Campos chegam à Liga de Clubes.

15H35: Júlio Mendes, Carlos Pinho, Tiago Ribeiro e António Silva Campos abandonam Bessa Hotel.

15H15: José Eduardo Simões deixa o Bessa Hotel e dirige-se para a Liga para entregar o pedido para anular as eleições.

No Bessa Hotel, e antes das eleições, o presidente do V. Guimarães almoçou com Carlos Pinto (presidente do Arouca), José Eduardo Simões (Académica), António Silva Campos (Rio Ave) e Tiago Ribeiro (Estoril), entre outros. Desta reunião emergiu um protesto formal que vai dar entrada na Liga na forma de requerimento para anular as eleições. Pedido que terá, supostamente, de ser aceite pela AG da Liga e terá de ser aprovado por unanimidade/dois terços dos clubes sócios( duvida sobre esta questão)

———–

Mário Figueiredo é o único candidato às eleições de hoje da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), no Porto, num ato atribulado marcado pela rejeição das candidaturas de Fernando Seara e Rui Alves.

O ato eleitoral decorrer na sede da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), no Porto, a partir das 16 horas. Siga aqui tudo, ao minuto.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários estão fechados.