CA Notícias, as últimas notícias do mundo do desporto, da tecnologia e do entretenimento. Os últimos resultados, lançamentos, estreias.

Uma ida a Alvalade

Um jogo de futebol começa quando se entra para um estádio de futebol e este não fugiu á regra. A claque de apoio ao nosso clube viu todo o material de apoio impedido de entrar, mesmo após estar tudo estar confirmado com a direção do Sporting e de a entrada desse material ter sido confirmada pelos mesmos, ou seja politiquices do clube visitado.

- Publicidade -

A equipa que entrou em campo só vem confirmar o que vários sócios e adeptos já tinham dito em artigos de opinião aqui mesmo na “CA”: temos de jogar com dois médios defensivos e um médio mais ofensivo à frente destes, mesmo que este sistema tático tenha sido em detrimento de um jogador como o Dantas (lamentavelmente estava lesionado). Na ala direita notou-se não haver muitas alternativas a Abel Camará, mesmo que Nelson faça um bom jogo como o de ontem. Todos sabíamos que a toada do Sporting seria de ataque e nós a jogarmos em contra-ataque. Aos 12 minutos fizemos o primeiro remate com perigo, um remate cruzado, que levou muita gente a gritar golo. Umas boas defesas de Matt Jones a parar o caudal ofensivo do Sporting até que ao minuto 27, Nelson cruza da direita para Deyverson que sem qualquer oposição adversária cabeceia de cima para baixo (como mandam os livros) e já está lá dentro, Rui Patrício bem se esticou mas não conseguiu chegar a este remate. Um golo contra a corrente de jogo é certo, mas a revelar uma lição bem estudada da “turma” de Vidigal que foi controlando o jogo dentro das sua possibilidades a sofrer quando tinha que sofrer, a fazer sofrer quando podia e conseguia. Sim e desengane-se quem pense o contrário mas este foi mais um milagre do nosso timoneiro, Lito Vidigal, que com o seu curto plantel com muita falta de experiência, mas com muita vontade e graças a ele próprio já fez 7 em 12 pontos possíveis com praticamente a mesma equipa e não feita à imagem do seu líder (imagine-se se os seu pedidos têm sido concedidos).

Ao minuto 34 Carrillo repõe a igualdade depois de um passe falhado de Bruno China, em que ficaram todos a “reclamar” uns com os outros. A pressão continuou com muitas bolas pelo ar e o Belenenses sem saber jogar dessa forma, até terminar a primeira parte, com o Sporting a rematar umas atrás das outras ora com a bola a passar ao lado ora com o Matt Jones e os seus colegas da zona defensiva a cumprir a sua missão com muito espirito de entreajuda.

Antes do começo da segunda parte, tem que se ressalvar o atraso de quase cinco minutos da nossa equipa e uma tremenda assobiadela por partes dos adeptos da casa. Ou era “tática” ou alguém se esqueceu do tempo de intervalo, e com este atraso lá deve vir mais uma multa da liga de clubes.

Nesta segunda metade, mais do mesmo, pressão da equipa adversária, mas agora a nossa equipa com a bola no pé, como está habituada a jogar com Lito Vidigal. Mais oportunidades de golo da nossa equipa e com os nossos atacantes a poderem marcar em várias ocasiões. A pressão do Sporting continuava, agora com centros para a área e com dois pontas de lança que só ocuparam espaço e não abriram espaços. O lançamento do Fredy em campo pelo lado direito veio fazer com que a nossa equipa tivesse mais jogo no meio campo e ocupar mais terreno e mais posse de bola. Quando faltava cerca de quinze minutos de jogo, tivemos a sensação de muito anti-jogo, o que às vezes pode levar a sofrer um golo no final do encontro. Os nervos na equipa adversária estavam ao rubro, como os do nosso diretor desportivo, que já saltava na linha de meio campo, e já lhe apetecia ir jogar, pela maneira como entrava em campo. O jogo terminou 1-1 mas o nosso treinador pretendia vencer e diz que entrou para vencer e acabar com 60 anos em que o Belenenses não ganha em Alvalade (ainda não foi desta que o borrego foi morto).

Matt Jones encheu a baliza e a sua grande área.

Meira preencheu a zona defensiva.

Pelé encheu o meio-campo e parece que regressou da mesma forma que foi e a melhoria de forma nota-se de um jogo para outro.

No ataque Deyverson continua a marcar “pontos” e golos.

Estatisticamente falando:

SportingBelenenses
68%
 Posse De Bola
32%
22Remates7
8Remates À Baliza4
14Remates Fora3
9Pontapés De Canto1
17Livres Directos15
3Fora De Jogo1
4Pontapés De Baliza19

 

X