Análise Séries – Disenchantment (Desencantamento)

Já disponível na Netflix

A nova série de animação de Matt Groening chega hoje à Netflix, “Disenchantment” (Desencantamento) e com ela são muitos os olhares de curiosidade que se levantam. Saiba o que achamos da grande novidade desta semana da Netflix.

O que será que o criador dos “The Simpsons” ou “Futurama” nos traz de novo? Pois bem nós já vimos os primeiros episódios da nova série e podemos esclarecer as vossas dúvidas.

Em “Disenchantment” acompanhamos a história de um trio curioso, com a jovem princesa Bean, o seu animado companheiro elfo, Elfo (nome original), e o seu demónio pessoal Luci pelo reino medieval em ruínas de Dreamland. Ao longo do caminho, o nosso trio de aventureiros irá encontrar ogres, duendes, trolls, morsas e muitos outros seres estranhos como … humanos.

De forma resumida, se gostam do trabalho anterior de Matt Groening, vão certamente gostar desta série que tem 10 episódios na primeira temporada. “Disenchantment”, principalmente através do desenho das personagens (Elfo é demasiado semelhante ao Bart), faz recordar as outras obras do criador, mas opta por um estilo mais adulto, mais consentâneo com a época em que a acção se desenrola.

Escape From Dreamland Excl Global

Com os primeiros minutos assistimos a um sem número de peripécias dos três que nos deixam um sorriso na cara, principalmente nos momentos iniciais de Elfo na terra mágica dos da sua espécie. No entanto, apesar de nos divertirmos com as aventuras do trio, aquilo que sentimos é que nenhuma das três personagens é forte o suficiente para carregar o “peso” de uma nova série animada de sucesso. Quando pensamos nas séries deste género, o que mais nos salta à memória são personagens icónicas. Homer Simpson, Roger, Eric Cartman, Stewie Griffin ou Sterling Archer são personagens carismáticas que nos “assaltam” as atenções sempre que estão no ecrã. Aqui talvez a que se possa aproximar disso será Luci, por ser o mais misterioso, poderoso e ter uma personalidade mais vincada, fruto do bom trabalho de voz de Eric Andre sobretudo.

Se as personagens não são icónicas, isso muito se deve a um guião apenas satisfatório. Esperamos uma maior complexidade emocional nos próximos episódios, porque do que vimos, pouco na série nos fez ligar de alguma forma às personagens. É verdade que “Disenchantment” é uma série de comédia animada, mas dá jeito sentirmos algo pelos nossos “heróis” da história.

Ep 7 Zøg And Oona Color

O trabalho de animação da Rough Draft Studios é incrível, e a recriação de um universo medieval e mágico ao mesmo tempo está bem conseguida, conseguindo transportar-nos facilmente para aquilo que até podemos comparar levemente com um Westeros mais animado ou com Futurama medieval. Ao nível do som e das vozes a produção também é de alto nível, contando com nomes como Abbi Jacobson e Nat Faxon, para além do já mencionado Eric Andre.

Outro ponto positivo da série, é que de facto há continuidade de episódio para episódio, algo bastante visível quando no final do primeiro ficamos sem saber o que acontecerá. Isto deve-se a uma adaptação ao formato em que a série está introduzida. No mundo do binge watching só faz sentido que assim seja. Outro facto a realçar é o aumento da duração dos episódios em contraponto com os seus “concorrentes”, fixando-se todos na marca dos 30 minutos (o primeiro chega praticamente a ter 40 minutos), invés dos habituais 20.

Warrior Pose Image Fin 400dpi (1)

Sabemos também que a Netflix encomendou vinte episódios, ou seja, teremos direito à segunda temporada. Pode ser que aí a equipa que consiga corrigir alguns dos problemas destes primeiros episódios, pois a série apresenta bastante potencial, mas que por diversos motivos não acaba por o concretizar. Mas verdade seja dita, nem os próprios “The Simpsons” (talvez na altura devido às limitações da produção) nem “Futurama” tiveram o melhor início de sempre. Como fã do trabalho de Groening e conhecendo o seu estilo, acredito que será na próxima temporada que teremos uma experiência mais próxima do potencial que tem no papel. Não obstante, para fãs de animação esta primeira temporada é recomendada, pois pode não trazer nada de novo, mas sabe o que faz. Não será com esta temporada inicial que “Disenchantment” figurará no Olimpo das séries de animação ao lado dos já mencionados “The Simpsons” ou do mais recente “Rick and Morty”, mas pode ser o tiro de partida para tal no futuro.

70%

Disenchantment (Desencantamento)

  • Guilherme Teixeira
  • Aldomiro Silveira

SINOPSE:

O dever chama, mas a princesa só pensa em beber. A rebelde Bean é um espírito livre que exaspera o rei e semeia o caos com os seus amigos demónio e elfo.